Rumores de que Aya Nakamura se apresentaria nas Olimpíadas de Paris provocaram uma enorme indignação por parte dos críticos de extrema direita.

Continua após a publicidade..

Segundo o jornal francês O mundo, a mídia local informou que o músico franco-maliano se reuniu com o presidente Emmanuel Macron no mês passado para discutir o canto de uma música da icônica artista francesa Edith Piaf. Nakamura acumulou mais de 1 bilhão de visualizações no YouTube com seu hit de 2018, ‘Djadja’, enquanto O mundo a apelidou de “a artista de língua francesa mais popular do mundo”.

Embora estes relatórios não tenham sido confirmados nem por Macron nem por Nakamura, os rumores causaram fúria significativa junto da extrema-direita. O partido da Reconquista, que realizou um comício no domingo liderado pelo ex-candidato presidencial Eric Zemmour, anunciou o nome de Nakamura, o que provocou vaias da multidão.

Enquanto isso, outro grupo extremista chamado Os Nativos pendurou uma faixa no rio Sena: “Não tem como, Aya; isto é Paris, não o mercado de Bamako.” De acordo com NBCas autoridades francesas confirmaram que estão investigando ataques racistas contra Nakamura.

Continua após a publicidade..

Nakamura respondeu a uma foto do banner nas redes sociais, respondendo (conforme traduzido por O guardião): “Você pode ser racista, mas não surdo… É isso que te machuca! Estou me tornando o sujeito número 1 nos debates estaduais… mas o que eu realmente devo a você? Nada.”

O comitê organizador das Olimpíadas disse que dá “apoio total” a Nakamura na segunda-feira, acrescentando: “Ficamos muito chocados com os ataques racistas contra Aya Nakamura nos últimos dias. (Oferecemos nosso) total apoio ao artista francês mais ouvido no mundo.”

Outras autoridades francesas participaram do debate, com a ministra do Esporte, Amélie Oudéa-Castéra, dizendo a Nakamura: “Não importa, as pessoas amam você. Não se preocupe com nada.”

Continua após a publicidade..

Entretanto, Antoine Léaument, do partido de esquerda LFI, escreveu: “Eles afirmam amar o seu país, mas querem excluir a cantora de língua francesa mais ouvida no mundo desde Édith Piaf. Não podemos ser racistas e patrióticos em França.”

Nakamura, que faz música inspirada em Afrobeats/zouk que usa “ortografia pouco ortodoxa” e “letras com gírias”, já respondeu a sugestões de que ela está zombando da língua francesa: “Posso entender por que algumas pessoas dizem: ‘Quem ela faz? acha que ela está, zombando de nós em nossa língua francesa?’”

“Mas é importante aceitar a cultura dos outros e, eu, tenho duas culturas”, disse ela ao AFP.



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email