Uma bala disparada da arma que matou John Lennon será leiloada esta semana em Newcastle.

Continua após a publicidade..

O item foi entregue ao policial de Northumbria, Brian Taylor, pelo Departamento de Polícia de Nova York, depois que eles permitiram que ele disparasse em uma visita ao departamento. Taylor faleceu recentemente e agora a bala estará sob o martelo dos leiloeiros Anderson & Garland de Newcastle em 29 de fevereiro.

Taylor manteve a bala numa moldura pelo resto da vida, com o diretor da casa de leilões descrevendo-a como “um daqueles lotes ligeiramente macabros que você ganha de vez em quando e que chama a atenção de todos”.

John Lennon
John Lennon fotografado na Hit Factory na W. 48th Street, em Nova York, pouco antes de ser assassinado. CRÉDITO: Art Zelin/Getty Images

“Há uma base de fãs dos Beatles que é fanática e um mercado para praticamente qualquer coisa dos Beatles”, continuou ele (via BBC). “Mas muito raramente você consegue algo tão incomum e único, é difícil saber quanto vale e se há mercado para isso ou não. É uma peça realmente interessante de memorabilia dos Beatles que provavelmente não pode ser replicada.”

Continua após a publicidade..

Mark David Chapman atirou e matou Lennon em 8 de dezembro de 1980, quando o músico e Yoko Ono voltavam para seu apartamento no Dakota Building, no Upper West Side de Nova York. Chapman então permaneceu no local até a chegada da polícia e mais tarde se declarou culpado de assassinato em segundo grau. Ele foi condenado a cumprir pena de prisão de vinte anos a prisão perpétua.

Em 2022, Chapman disse que atirou em Lennon porque ele “queria ser alguém e nada iria impedir isso”. Sua liberdade condicional foi negada 12 vezes.

Continua após a publicidade..

Numa entrevista a um dos conselhos de liberdade condicional, Chapman disse: “Eu sabia o que estava fazendo e sabia que era mau. Eu sabia que era errado, mas queria tanto a fama que estava disposto a dar tudo e tirar uma vida humana. Não vou culpar nada nem ninguém por me trazer até lá”, disse ele.

“Isso foi mau em meu coração. Eu queria ser alguém e nada iria impedir isso”, continuou Chapman, que então disse que matar Lennon foi “minha grande resposta para tudo. Eu não seria mais ninguém.”

Em audiências anteriores, Chapman descreveu as suas ações como “desprezíveis” e disse que “não teria qualquer reclamação” se permanecesse na prisão pelo resto da vida.

Durante seu apelo de 2018, Chapman disse que sentia “cada vez mais vergonha” a cada ano desde que cometeu o crime. “Há trinta anos eu não poderia dizer que sentia vergonha e sei o que é vergonha agora”, explicou ele.



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email