Depois de receber mais de 50 mil pessoas nas duas primeiras edições de um festival próprio, o coletivo BATEKOO abre as portas da Casa de Verão Salvador. A programação de eventos ficará dividida entre dois espaços: o Centro Cultural Solar Ferrão, onde serão realizadas as ações artísticas e atividades da ESCOLA B, e a Praça das Artes, onde também acontecerão uma série de proposições que prometem agitar o território soteropolitano. Saiba detalhes!

LEIA MAIS:

Foto: mendes öjwlio / BERRO INC.

O coletivo, que há dez anos vem se consolidando como a maior plataforma de eventos pensando e propondo entretenimento, cultura e educação para e com a comunidade negra e LGBTQIAP+ do Brasil, tem como proposta intensificar suas atividades na capital baiana nesse verão.

Continua após a publicidade..

“Pelo terceiro ano, a BATEKOO se firma no verão de Salvador como um polo cultural negro. A partir da Casa, articulamos entretenimento, experiência, educação, construindo um espaço de afirmação negra que amplia e possibilita o fomento da cena cultural negra na cidade. Sendo um movimento global, que realiza eventos nacional e internacionalmente, queremos que a casa seja uma plataforma para a ascensão, profissionalização e desenvolvimento artístico de nossa comunidade”, explica Artur Santoro, agitador cultural e sócio da BATEKOO.

A programação, que já está na ativa, contemplará um long set do DJ Mu540 nesta quarta-feira, 31 de janeiro, pouco antes da tradicional Festa de Iemanjá. Um dos pontos altos do evento é que, ao longo do set de 5 horas do DJ, outros DJs e artistas negros poderão levar seus materiais para fazer intervenções experimentais no set. A produção da festa irá disponibilizar 4 CDJS e 2 mics. Os ingressos estão sendo vendidos por R$31 no site Shotgun.

Continua após a publicidade..
Continua após a publicidade..

LEIA MAIS:

Entre 2022 e 2023, a proposição realizou +100h de programação musical, cultural e audiovisual; recebeu +100 atrações; e formou +250 pessoas pela Escola B em cursos presenciais e virtuais.

“Vamos ocupar e transformar esses espaços/patrimônios históricos em polos culturais vivos de cultura preta, educação, arte e empreendedorismo negro, proposto por jovens que visam um novo futuro através da felicidade negra. Nosso propósito é fazer com que a programação da casa transborde para as ruas e que ela seja um território de intercâmbio cultural, musical e artístico. Queremos, a partir dessa intensa agenda, contar a história desses 10 anos de BATEKOO – de maneira sensível, criativa e divertida”, completa Mauricio Sacramento, CEO, fundador e diretor criativo da BATEKOO.

Share.