ad

Quando o diretor, escritor e astro de “Maestro”, Bradley Cooper, quis se encontrar com Carey Mulligan para falar sobre ela se juntar à cinebiografia de Leonard Bernstein, foi um começo “bastante dramático”.

Cooper, que queria que Mulligan interpretasse a esposa de Bernstein, Felicia, assistiu à primeira prévia de sua peça solo “Girls and Boys”. Durante o show, realizado no West Village de Nova York, um pedaço de madeira caiu e atingiu a cabeça de Mulligan. Isso causou uma concussão em Mulligan, que ela agora minimiza, chamando-a de cortina porque “parece fofa”.

Continua após a publicidade..
ad

Neste episódio do premiado Variedade Awards Circuit Podcast, Cooper e Mulligan discutem o processo de criação da mentalidade para interpretar Leonard Bernstein e Felicia Montealegre em “Maestro” da Netflix. Os dois analisam as cenas principais e falam sobre seus trabalhos de atuação favoritos um do outro. Ouça abaixo.

Bradley Cooper como Leonard Bernstein e Carey Mulligan como Felicia Montealegre em “Maestro”. (Jason McDonald/Netflix)
Jason McDonald/Netflix

“Maestro” acompanha o famoso compositor e músico Leonard Bernstein ao longo de décadas criando música e ensinando tendo como pano de fundo seu casamento com sua esposa, Felicia Montealegre. O filme também é estrelado por Maya Hawke, Matt Bomer e Sarah Silverman.

Leia trechos da entrevista abaixo.

Variedade: O filme não rotula Lenny externamente como bissexual nem chama seu casamento de um “casamento aberto”. Vocês dois discutiram esses personagens e o que eles sabiam um sobre o outro?

Continua após a publicidade..
ad

Tanoeiro: Também não me lembro de ter tido nenhuma conversa sobre gravadora de identificação de marco. Foi mais uma questão de pedir a Carey para embarcar nessa jornada e enviar suas cenas e o roteiro conforme ele evoluía. A história e a evolução deste casamento e desta relação. Nunca falamos sobre isso em termos de categorização. Isso é preciso?

Mulligan: Sim eu concordo. Adorei receber uma mensagem de Bradley; seria uma cena que ele acabara de escrever. E seriam três anos antes. Em nosso tópico de texto, há um milhão de versões dele como Lenny de 2019 em diante. Todas essas diferentes idades, estágios e versões. E então páginas e páginas do roteiro. Foi como ganhar um presentinho. É por isso que não sou um grande produtor ou algo assim, ou não tenho coragem para isso. Minha coisa favorita é abrir um roteiro e ser surpreendido.

Graças a este filme, vocês dois ficarão associados a uma única palavra para sempre: para Cooper, é “igreja” quando você orquestra, e para Mulligan, é “Snoopy”, durante a grande explosão no Dia de Ação de Graças. Você pode discutir esses momentos?

Continua após a publicidade..

Mulligan: Você quer falar sobre como escrever o Dia de Ação de Graças?

Tanoeiro: Sim, estou feliz que você tenha mencionado essas duas cenas porque esses são os dois pilares da história do filme. O filme é sobre o relacionamento deles e a evolução do relacionamento deles. E essa primeira cena é o aparente acerto de contas; mesmo que ela realmente não aceite o que está realmente sentindo, ela o confronta seriamente. E a outra cena é a verdade da existência dele, ela vendo isso, e então a reconciliação – e o momento em que eles podem realmente se apaixonar pela primeira vez, talvezcertamente ele.

Por alguma razão, escrevi aquela cena mais rápido do que qualquer coisa no filme inteiro. Escrevi isso em cerca de 20 minutos uma noite, há cinco anos. [looks at Mulligan] Não sei se te contei isso. Eu teria casado com casais que eu conhecesse, que fossem mais velhos e que estivessem em uma dinâmica interessante – eu faria com que eles lessem essa cena ao longo dos anos. Eu diria, ‘Vocês se importariam?’ E eu pegava no meu telefone e depois lia. Depois, a cada vez, uma das pessoas no relacionamento dizia: ‘É muito honesto’.

Mulligan: Fizemos duas tomadas no início, e elas simplesmente não pareciam verdadeiras. Mas foi a terceira tomada, que é a do filme. A coisa mais notável sobre trabalhar com Bradley como ator e diretor é quando ele dizia coisas muito específicas para mim, sempre como Lenny, que provocavam uma certa resposta em mim. E naquela terceira tomada, tudo o que ele fez foi tão intencional, e isso me irritou com algo podre [laughs]. Ele esbarrou na mobília, então isso foi irritante porque ele está de ressaca, ou nos óculos escuros. E, novamente, é a terceira tomada em que de repente estávamos voando e gostamos, ‘OK’.

Tanoeiro: A igreja foi uma tomada. Aprendi mais com Clint [Eastwood] do que qualquer pessoa com quem trabalhei: quando você souber que tem, basta seguir em frente. Eu queria reger a Orquestra Sinfônica de Londres para a cena da catedral e, no dia anterior, continuei errando. Eu estava atrasado e precisava fazer as mudanças certas. No segundo dia, percebi que havia montado câmeras de forma temerosa para protegê-los. Eu estava me preparando para o fracasso. Curiosamente, lembro-me de cada momento daquele momento, mas a minha memória é que estou levitando sobre a orquestra. Não me lembro de ter colocado os pés no pódio. Mas eu me senti tão dentro da música que não houve tempo.

O podcast “Awards Circuit” da Variety, apresentado por Clayton Davis, Jenelle Riley, Jazz Tangcay, Emily Longeretta e Michael Schneider, que também produz, é sua fonte única para conversas animadas sobre o que há de melhor no cinema e na televisão. Toda semana, o “Circuito de Prêmios” apresenta entrevistas com os principais talentos e criativos do cinema e da TV, discussões e debates sobre corridas de premiações e manchetes do setor e muito mais. Assine via Apple Podcasts, Stitcher, Spotify ou em qualquer lugar onde você baixe podcasts. Novos episódios são postados semanalmente.

Share.
ad