É difícil acreditar que Laura Karpman, compositora cinco vezes ganhadora do Emmy e graduada pela Juilliard, que compôs recursos narrativos (As maravilhas) bem como documentários (Ore) em uma carreira de mais de 30 anos, só agora recebeu sua primeira indicação ao Oscar.

Karpman é indicada por sua trilha sonora para Cord Jefferson’s Ficção Americana, uma trilha sonora de jazz que ganha vida com o uso de vários pianos e saxofones, além de clarinetes, trompetes, baixo, bateria e orquestra de cordas. O filme, indicado a cinco Oscars, incluindo o de melhor filme, sempre cantaria uma música de jazz, diz Karpman. Afinal, o personagem principal do filme se chama Thelonius “Monk” Ellison.

Continua após a publicidade..

“Quando você tem um personagem chamado Thelonius Monk, você não pode ignorar o jazz”, diz Karpman, referindo-se ao influente pianista e compositor de jazz americano. “Quero dizer, tem que ser a linguagem do filme. Isso nunca foi uma pergunta.” Uma partitura temporária de jazz clássico foi usada inicialmente, que Karpman diz “funcionou para dar uma vibe”, mas não como uma partitura completa. “Acho que houve isto: como vamos fazer isso e ainda fazer com que pareça uma trilha sonora de filme e fazer todas as coisas que precisa ser feita, mas também ter a sensação do jazz clássico?” Ela adiciona.

Karpman explica que recebeu a versão do filme e só então começou a trabalhar na trilha sonora, que durou de seis a oito semanas. Seu processo em Ficção Americana diferia um pouco de seu trabalho anterior (por exemplo, ela havia acabado de terminar uma partitura de jazz para o documentário Rock Hudson: tudo o que o céu permitiu), porque o roteiro exigia que a partitura fosse inserida no diálogo mais do que em projetos anteriores.

“Essa trilha sonora precisava parecer jazz clássico em alguns lugares, mas também precisava funcionar como uma trilha sonora de filme, o que significa que tinha que ser muito responsiva ao diálogo, muito responsiva à enorme gama de emoções que ocorrem no decorrer do filme. Pela forma como as falas são faladas, por serem nítidas e angulares, quase como o jazz, funcionou neste contexto”, explica Karpman. “É apenas uma dança quase coreografada com [the actors]. É uma trilha sonora de filme que se ajusta perfeitamente à imagem.”

Continua após a publicidade..

Mas a trilha sonora de jazz também funciona em conjunto com o ritmo em constante mudança do filme, diz Karpman. “Você estará em uma cena de comédia ou de tragédia e então você estará de volta em uma cena de comédia, e então você estará em uma cena de frustração, então é engraçado de novo, mas você quer rir com ele e não rir para ele”, ela explica. “Portanto, existem todos esses tipos de modulações que precisam acontecer de forma consistente. O [scene in which Monk writes his pseudonymous novel] Minha Pafologia é um exemplo perfeito. Você está na realidade e depois na surrealidade. Essas pessoas aparecem de repente e seus personagens ganham vida. O filme brinca muito com essa noção de realidade e surrealidade, e a música tem que acompanhar isso.”

Um aspecto único da partitura é o uso frequente de dois instrumentos que tocam as mesmas notas, mas não ao mesmo tempo, por Karpman, um método usado para expressar as relações complicadas e complicadas em famílias que às vezes não estão em sincronia. Esta foi a primeira vez que ela empregou esse método em uma trilha sonora de filme – ela já havia colocado pianos em camadas antes, mas esse método não foi usado tão tematicamente como é em Ficção Americana.

“É uma peça musical muito, muito comovente e bonita – eles estão tocando a mesma música, mas não em sincronia”, diz Karpman. “Para mim, é assim que as famílias costumam interagir. Você vem do mesmo lugar musicalmente, da mesma estrutura harmônica, da mesma melodia… mas você não está fazendo isso ao mesmo tempo, às vezes não no mesmo lugar ou no mesmo headspace”, diz ela. “É realmente orgânico ao que acontece na música e também acontece o tempo todo com instrumentos diferentes. Isso acontece com a flauta. Acontece com vários pianos, acontece com o violão, que está associado ao personagem de Sterling K. Brown. É realmente parte do DNA da partitura.”

Continua após a publicidade..

Ser reconhecida por seus pares ao receber esta indicação ao Oscar é a realização de um sonho para o músico e compositor.

“Não consigo nem articular como é a sensação. Quero dizer, há tantos sentimentos associados a isso”, diz Karpman. “Há algo no Oscar que é muito, muito especial. É um símbolo de muitas coisas para muitas pessoas. E eu acho que é um símbolo de sonhos, realmente. É uma combinação dos sonhos de muita gente: dos meus avós, dos avós deles, de gente que veio da Rússia com um bule de chá ou da avó dela, que escapou do Holocausto. Foi minha mãe que queria que eu fosse compositor, sabe? É uma daquelas coisas profundas, e sinto isso muito profundamente.”

Esta história apareceu pela primeira vez em uma edição independente de fevereiro da revista The Hollywood Reporter. Para receber a revista, clique aqui para se inscrever.

Share.