O que torna uma banda realmente ótima? Freqüentemente, trata-se das maneiras misteriosas pelas quais os membros-chave se complementam. Onde estaria o Public Enemy sem as piadas bobas de Flava Flav para compensar a postura política de Chuck D? Ou The White Stripes sem a simplicidade estudada de Meg para minar o exibicionismo de Jack?

Continua após a publicidade..

É uma história semelhante com as lendas mascaradas do metal Slipknot. No canto vermelho, temos o gênio do mal do nonet, Shawn Crahan (também conhecido como Clown), que mantém um perfil discreto, mas dirige o bom navio ‘Knot em direção a cada encarnação de pesadelo. E no canto negro, temos Corey Taylor, com voz de arame farpado, que passou o último quarto de século se tornando um confiável rent-a-quote, um autor de best-sellers e amigo (e inimigo) das estrelas. Ele é o yin do yang mais recluso do Clown, como foi evidenciado por seu primeiro álbum solo, o berrante ‘CMFT’ de 2020 (ou – ahem – ‘Corey Motherfucking Taylor’).

Continua após a publicidade..

Extraído do hair metal dos anos 80 e aparentemente feito sob medida para montagens de anúncios de cerveja, este disco de rock produzido em Las Vegas o encontrou em uma festa em um universo paralelo aos experimentos artísticos contundentes do Slipknot. Taylor deu mais uma volta na roda com o absurdamente intitulado ‘CMF2’, que o mostra se entregando a um pouco de country comercial e sofisticado em ‘Fresh Breath of Smoke’, cantos do tamanho de uma arena em ‘We Are The Rest’ e um Solo de guitarra rígido em ‘Post Traumatic Blues’. É tentador imaginar Clown com sua cabeça prateada brilhante nas mãos diante da indignidade de tudo isso.

Mas esse é o ponto. No mês passado, Taylor disse NME sua produção solo, para a qual ele montou uma banda completa, oferece a chance de saciar uma coceira criativa que ele não poderia alcançar dentro dos limites do Slipknot ou de seu outro grupo, Stone Sour. Então, ‘All I Want Is Hate’ mostra esse fã dos Beatles expressando uma queixa contra a única música do Fab Four que ele não suporta, ‘All You Need Is Love’, subvertendo sua mensagem com riffs serrilhados e um grunhido mortal projetado para interromper o sonho hippie. Não é à toa que a capa de ‘CMF2’ retrata uma reimaginação metálica do ‘Sgt. Arte de Pepper…’. O acústico ‘Sorry Me’ inicialmente ecoa o clássico ‘Vermilion, Pt.’ do Slipknot. 2′ antes de mergulhar em profundidades muito mais pessoais, enquanto ‘Punchline’ voa com um refrão de rock clássico.

Continua após a publicidade..

Menos palatável é a incansavelmente melosa ‘Someday I’ll Change Your Mind’, embora haja coisas boas o suficiente aqui para justificar a existência do álbum. E, no mínimo, é uma visão fascinante da dicotomia que impulsiona uma das maiores bandas do século XXI.

Detalhes

  • Data de lançamento: 15 de setembro de 2023
  • Gravadora: BMG



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email