ad

Já se passaram quase 10 anos desde que D’Angelo lançou seu último álbum “Black Messiah”, e cerca de cinco desde que ele apareceu pela última vez em um novo single. Portanto, é seguro dizer que é um momento cultural completo quando o ícone do R&B sai do esconderijo para lançar música.

Esse é o caso de “I Want You Forever”, uma das faixas mais aguardadas da trilha sonora da comédia dramática bíblica “The Book of Clarence”. Na semana que antecedeu o filme, que chegou aos cinemas em 12 de janeiro, o escritor e diretor Jeymes Samuel apontou para o fato de que o álbum que o acompanha incluiria uma faixa colaborativa entre ele, D’Angelo e Jay-Z, com a notícia firmando logo depois. O mundo não apenas estaria a par de uma nova música de D’Angelo, mas também de um verso de Jay, cuja produção diminuiu tanto nos últimos anos que é feriado de Shawn Carter quando ele aparece em uma trilha sonora ou mesmo um single do DJ Khaled.

Continua após a publicidade..
ad

Então, o que fazer com o encontro de algumas das maiores mentes da música? “I Want You Forever” é uma jam nebulosa e elástica onde D’Angelo faz dueto com Kendra Foster no topo de tons intergalácticos, cortesia de James Poyser e batidas de bateria de Andre “Dre” Harris. As partes de D’Angelo em “Forever” não soam tão distantes das harmonias em camadas de “Really Love” ou “Another Life”, e ele parece à vontade repetindo o refrão da música enquanto a faixa avança (e continua, e continua). ). Jay-Z, por outro lado, tenta uma abordagem um tanto nova, aproximando o instrumental com uma espécie de cadência de fluxo de pensamento de baixa vibração e criando um espaço dissociativo no verso. Quase parece um experimento mental, deixando suas frases saírem do ritmo antes de alcançá-las.

Continua após a publicidade..
ad

O problema perene com trilhas sonoras originais é que a música muitas vezes só faz sentido contextualizada na trilha sonora do filme e pode fracassar sem a narrativa para guiá-la. O próprio Jay-Z reconheceu isso um dia antes do lançamento do filme, durante um bate-papo com Samuel no X (antigo Twitter). “Essa cena é feita para essa música”, disse ele. “Por si só, é uma música linda e posso me ver dirigindo para algum lugar, horas, tocando essa música direto. Mas naquela cena, é feito sob medida para aquela cena.”

O que quer dizer que a música solta e congestionada se encaixa perfeitamente na própria trilha sonora, embora simplesmente exista fora dela. Uma versão mais curta da faixa de nove minutos aparece no início do filme, focada em Clarence (LaKeith Stanfield), que afirma ser o novo Messias após a ascensão de Jesus Cristo. “I Want You Forever” é reproduzido durante uma cena de um salão de narguilé onde ele tenta encontrar uma maneira de se livrar da dívida com um gangster local e decide se tornar o 13º apóstolo de Jesus.

Continua após a publicidade..

Jay-Z, que atua como produtor do filme, é colaborador de longa data de Samuel desde 2010. A dupla criou a base para a música – nela, Samuel atua como produtor, escritor e co-arranjador – e mais tarde incorporou D’Angelo à mistura. “Alguém como D’Angelo, ele se move em sua própria velocidade e em seu próprio tempo, então não há planejamento nisso”, acrescentou Jay-Z durante seu bate-papo no X. “Você não pode planejar isso, não pode dizer: ‘OK, tenho essa música, venha terça-feira’. Simplesmente tem que acontecer assim. As circunstâncias, as vibrações, a música, tudo tem que estar num espaço perfeito para que algo assim aconteça. Obviamente, não colaboramos durante toda a nossa carreira, então foi feito para este momento aqui.”

Nesse sentido, “I Want You Forever” não é um esforço tão concentrado quanto você esperaria da primeira colaboração de Jay-Z e D’Angelo, e não é o que você chamaria de um dueto poderoso. Talvez isso seja uma prova do seu legado e da sua idade – afinal, não há nada a provar – e este é simplesmente o nível de Zen musical que conquistaram ao longo dos anos. Ou, talvez, seja apenas o que a cena “Clarence” exige, e a sua existência fora dela seja apenas um subproduto. De qualquer forma, é um lembrete bem-vindo de que duas das maiores figuras do hip-hop e do soul não perderam a fome pela forma de arte que ajudaram a moldar, mesmo que esse molde não seja tão firme como antes.

Share.
ad