Ben Goldwasser e Andrew VanWyngarden, do MGMT, não são pessoas felizes. Eles não fazem música alegre, nem sequer afirmam saber o que é felicidade. Mas eles gostam de rir. É uma tensão que tem governado a sua produção desde o início da banda em 2002. Agora, como antes, MGMT emprega a “combinação clássica” de música alegre combinada com letras “de esmagar a alma”. A alquimia da composição é tão antiga quanto a nota musical, é uma tática que acompanha a dupla ao longo de 20 anos e cinco álbuns, incluindo o mais recente, ‘Loss of Life’, um projeto que argumenta que devemos “aceitar o fim de algo para que algo novo para começar.” Andrew sorri: “Tipo O Rei Leão.”

Continua após a publicidade..

Ben, um pouco mais reticente que seu colega de banda, está sentado com seu laptop no colo. Andrew, o mais sarcástico dos dois, posicionou-se em uma mesa perto de um microfone de aparência cara no que é presumivelmente seu estúdio. Do lado de fora da janela atrás dele há um quadro árido e congelado. Os dois estão separados por quase 3.000 milhas, Andrew “na floresta nevada fora da área de Nova York” e Ben na Califórnia. Por mais distantes que estejam agora, os dois se reuniram repetidas vezes ao longo dos anos, primeiro como colegas de faculdade e depois como amigos adultos em lados opostos do país. “Ben e eu nos conhecemos desde que tínhamos 18 ou 19 anos, então mais da metade de nossas vidas”, observa Andrew, “Nós crescemos e mudamos muito como pessoas, mas acho que nosso novo álbum é a prova de que temos o mesma centelha criativa que tínhamos quando nos conhecemos. Existe algum tipo de magia alquímica que acontece quando estamos juntos.”

A última vez que eles se encontraram para fazer música original foi há seis anos para ‘Little Dark Age’ de 2018, seu lançamento de maior sucesso comercial desde sua estreia caleidoscópica ‘Oracular Spectacular’ em 2007. E agora? Outro encontro alquímico de mentes, cujo produto é um quinto álbum: ‘Loss of Life’.

‘Loss of Life’ – LOL – um título que revela tanto o milenarismo crônico do MGMT quanto aquele desejo primordial de cruzar tragédia e comédia. No entanto, não existe uma linha clara entre optimista e pessimista nesta parceria. Pelo menos não como em The Smiths (“Será que Johnny Marr estava tentando animar Morrissey?”). Em vez disso, os dois membros do MGMT usam cada uma das máscaras da tragicomédia simultaneamente.

Ben, que se autodenomina uma “pessoa chateada em geral”, e Andrew, que acha o conceito de felicidade incognoscível, estão sempre empenhados em escrever “algo que nos faça rir”. Em ‘Loss of Life’, melancolia e humor se unem em uma valsa sutil, passando de tributos tristes de Simon e Garfunkel à euforia no estilo ‘Oracular Spectacular’ por meio de letras que confrontam mortalidade e esperança. Esta mistura de emoções não é apenas uma tática inteligente, mas também outra coisa: uma forma de provar que o MGMT não está “completamente acordado” [their] próprias bundas.”

“Ainda não amolecemos totalmente”, Andrew diz, as árvores nuas do lado de fora de sua janela, a luz dourada vindo da casa de Ben, oferecendo mais uma ajuda visual à dicotomia generalizada. “Muitos dos temas do novo álbum – esse amor muito açucarado conquista tudo [message] ou a importância da amizade e dos laços entre as pessoas – queremos que as pessoas saibam que há um elemento irônico nisso”: escrever músicas pode ser “uma forma de processar sentimentos de dor ou ansiedade”, mas também é uma chance de fazer algo isso “parece uma piada interna”. Um bom exemplo disso vem na forma de ‘Bubblegum Dog’, uma faixa de rock mais lenta que foi atingida no rosto com uma marreta sintetizada. “Foi algo com que nos divertimos muito”, diz Ben, como comprova o peluche disponível no site da banda, “baseado num ursinho de peluche realmente estranho desenhado por Philippe Starck”.

Continua após a publicidade..

O conceito de ‘Bubblegum Dog’ está no ar para os fãs do MGMT desde uma transmissão ao vivo do Periscope em 2016, quando a dupla o mencionou como parte de uma lista de músicas em que estavam trabalhando. Ao contrário das especulações de alguns fãs, a música era real desde o início. “Foi legitimamente uma música que começamos a escrever anos atrás”, confirma Ben, acrescentando que a mitologização dos fãs a tornou maior em suas mentes: “É algo que sempre quisemos terminar, especialmente sabendo que pelo menos um punhado de pessoas ficaria animado se isso acontecesse. acabou por ser uma pista real. Em desenvolvimento há vários anos, a faixa misteriosa ganhou uma vida própria quase mítica, com os fãs regularmente envolvidos em especulações. “O último boato que vi antes da faixa ser lançada era sobre ser uma música épica com meia hora de duração e várias partes”, Ben ri. “Acho que as pessoas levaram isso ao pé da letra.”

Um burlesco dos vídeos de rock dos anos 90 – “Today” do Smashing Pumpkins, “Black Hole Sun” do Soundgarden, “Jeremy” do Pearl Jam – o visual de “Bubblegum Dog” exacerba o papel da faixa como peça central da comédia em “Loss of Life” ‘. No vídeo, Ben e Andrew usam perucas, cavanhaques falsos e grungecore Y2K para encontrar e fugir continuamente de um cara com máscara de pastor alemão. Incapaz de fazer um sem o outro, porém, ainda há um coração sombrio na farsa se você olhar mais fundo: “A ideia do vídeo veio da ideia de fugir do passado. A revelação no final é que se você simplesmente abraçar a verdade, seja ela qual for, então essa será a única maneira de encontrar a paz.”

Continua após a publicidade..

É um pedaço de sabedoria que os TikTokers adquiriram, não de uma nova composição como esta, mas através do single ‘Time To Pretend’ da estreia mundial ‘Oracular Spectacular’, a última música do MGMT a se tornar viral após seu uso por Emerald Erva-doce em Queimadura de sal (“Eu queria que o filme terminasse de forma diferente. Eu realmente não entendi por que deveríamos estar torcendo por esse cara”, Andrew reflete). A tendência usa a música como trilha sonora para uma mudança de perspectiva e viu o single saltar para quase um quarto de milhão de usos na plataforma. Andrew gosta tanto da tendência que nem se importa com a ironia de uma música profundamente cínica ser usada para o bem: ele acha o meme “uma coisa profunda, zen e psicodélica. Eles estão pegando uma coisa e mudando a cor. É disso que o título do nosso álbum trata. ‘Loss of Life’ parece tão sombrio e mórbido, mas não vemos dessa forma. Também vemos isso como uma realização espiritualmente profunda.”

MGMT

Fazer parte de tendências como essa fascina os dois. Já aconteceu antes, quando a faixa-título de ‘Little Dark Age’ fez grande sucesso no TikTok, com mais de 200 mil vídeos atualmente com trilha sonora da música. “De vez em quando temos que fazer algo que acidentalmente está na moda”, diz Ben, caracteristicamente calmo em seu humor, como um aparte.

Sem dúvida, MGMT estará “acidentalmente” na moda novamente em breve, com as complexidades ousadas de seu quinto álbum. Veja a abertura ‘Loss of Life (part 2)’, uma gota de agulha que usa a voz de um professor de Oxford lendo a letra do poema anônimo “Eu sou Taliesin, canto uma métrica perfeita” sobre cravos de caixa de brinquedos e flautas eletrônicas. Ou ‘Dancing in Babylon’, que alista Christine e os Queens num tom sedutor e convincente para trazer de volta o dueto.

Artistas tão interessantes com uma discografia tão inusitada e ousada. É difícil acreditar que alguma de suas músicas deva aparecer em uma compilação chamada ‘Now! Isso é o que eu chamo de Dad Rock, não é? Particularmente ‘Kids’, uma música, ironicamente, sobre as fraquezas do Pai Tempo. Não é surpresa que o MGMT receba a notícia (pois sua aparição na compilação é novidade para eles) com bom humor. “É mais parecido com dad rock no sentido de que: isso foi feito por gente velha. 40 anos é velho se você tiver 18 anos”, Andrew diz sabiamente, divertido. “Eu só espero que as pessoas aceitem nossa nova música como rock pai, porque é o mais próximo que já chegamos disso”, acrescenta. O MGMT pode não ser composto de homens felizes ou de música alegre, mas ambos gostam de rir. “Se falhássemos em fazer o papai arrasar, seria muito triste”, diz Ben. Ambos riem.

‘Loss Of Life’ do MGMT já foi lançado



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email