Há muito tempo que os designers libaneses vestem mulheres glamorosas em todo o mundo. Nesta temporada de premiações, os talentos da moda da pequena nação levantina também tiveram destaque excepcional nos tapetes vermelhos da temporada de premiações, do Globo de Ouro ao Oscar e tudo mais.

Tony Ward, cujo ateliê está localizado em Beirute, vestiu Da’Vine Joy Randolph para o Governor’s Awards e Hannah Waddingham para o SAG Awards. O designer libanês Elie Saab, com sede em Paris, foi usado por Mandy Moore (Critics Choice), Reese Witherspoon (SAG Awards), Emily Blunt (BAFTAs) e Hailee Steinfeld (Oscars) nas últimas semanas.

Continua após a publicidade..

A dupla Azzi & Osta, de Beirute, vestiu Veronica Ferres para o Globo de Ouro, enquanto Zuhair Murad, também radicado em Beirute, foi visto em Allison Williams (Critics Choice), Ziwe (Emmy) e Jennifer Lopez (para ela). Este sou eu… Agora: um amor História estreia em Los Angeles).

Conhecida por lançar pela primeira vez seus vestidos recortados, Mônot, do estilista libanês-americano Eli MIzrahi, vestiu Sydney Sweeney para o People’s Choice Awards, Fantasia Barrino para o NAACP Image Awards, e Brittany Snow compareceu ao Oscar para apoiar o curta-metragem Vermelho, branco e azul vestindo a marca.

Nos últimos meses, Georges Chakra, baseado em Beirute e com showroom em Paris, vestiu Molly Sims e Andra Day para o Globo de Ouro, e Sims novamente para o Oscar, além de Assassinos da Lua FlorCara Jade Myers, enquanto Georges Hobeika (também baseado em Beirute e com showroom em Paris) vestiu Adele, Sheryl Lee Ralph, Beyoncé, Lisa do Blackpink e Quinta Brunson.

Sobre por que as atrizes são atraídas pelas silhuetas extravagantes desses designers, Joe Challita, fundador da História da Moda Libanesa e editora de moda da Marie Claire Arábia tem uma explicação. “Os designers libaneses refletem lindamente a essência da sua posição geográfica, situada como porta de entrada entre o Oriente e o Ocidente”, diz Challita. “Eles se inspiram em ambos os mundos, misturando o fascínio do Oriente e a sofisticação do Ocidente, moldando a sua identidade única, o que é uma grande vantagem. Com uma profunda compreensão e apreciação da estética oriental e ocidental, os designers libaneses criam peças que ressoam com um público global.”

Jennifer Lopez, vestindo Zuhair Murad, comparece à estreia do Amazon MGM Studios em Los Angeles Este sou eu… agora: uma história de amor no Dolby Theatre em 13 de fevereiro de 2024 em Hollywood.

Jon Kopaloff/WireImage

Ward, presença regular nos tapetes vermelhos, desde a temporada de premiações até o Festival de Cinema de Cannes, também aponta para o “artesanato inovador” desse grupo de designers. “Passamos horas intermináveis ​​pesquisando e experimentando para fazer uma peça tão atemporal e única quanto possível, enquanto criamos vestidos que serão difíceis de replicar”, diz Ward. “Entramos nos micro detalhes para obter a imagem perfeita e acho que é isso que nos destaca.

Chakra, cuja marca foi destaque em O diabo Veste Prada observa: “O artesanato, principalmente na alta costura, se destaca pela atenção meticulosa aos detalhes e ao uso de tecidos luxuosos. Como libaneses, os artesãos e ateliês de alta costura fundem a arte tradicional com a estética moderna, criando algo opulento. Pessoalmente, meu foco está na qualidade dos tecidos e nas técnicas de alfaiataria impecáveis ​​para mostrar vestidos que contam uma história de elegância e mostram o artesanato excepcional.”

Emily Blunt, vestindo Elie Saab, comparece ao BAFTA Film Awards de 2024 em 18 de fevereiro de 2024 em Londres. “O tapete vermelho para um estilista é um pódio onde ele pode destacar a figura da mulher e mostrar como o poder de um vestido pode definir sua assinatura”, diz Saab.

Imagens de Jeff Spicer/Getty

O designer de renome mundial Elie Saab – que acaba de lançar em Paris uma fascinante coleção outono-inverno 2024 inspirada nas décadas de 1960 e 70, no mundo de Elvis e Priscilla Presley e na cultura country ocidental – conta O repórter de Hollywood que “a rica cultura libanesa e a inspiração das mulheres libanesas, nomeadamente dos anos 70, influenciam fortemente os meus designs. Nas nossas criações misturamos a essência do Líbano com o encanto do Mediterrâneo e pretendemos fazer com que as mulheres se sintam confiantes e bonitas em todos os momentos. Desde bordados e miçangas intrincados até silhuetas perfeitamente adaptadas, cada peça conta a sua própria história.”

Halle Berry em Elie Saab no Oscar de 2002.

Saab foi o primeiro estilista libanês a ter um grande avanço no tapete vermelho da temporada de premiações, na época em que Halle Berry usou seu vestido cor de vinho com corpete floral transparente no Oscar de 2002. Naquele ano, Berry se tornou a primeira mulher negra a ganhar o Oscar de melhor atriz.

Continua após a publicidade..

“Vários fatores contribuíram para tornar icônico o vestido que Halle Berry usou no Oscar de 2001”, lembra Saab. “Claro que o desenho do vestido teve um papel importante a desempenhar, mas também o facto de ela ter ganho o Óscar naquela noite tornou este momento lendário e inesquecível. A cobertura deste vestido e a exposição que ele teve colocaram a marca em todas as manchetes e consolidaram nosso nome no cenário internacional. Esta história mostra o quanto uma única peça pode mudar a carreira de um designer e que cada design pode ser poderoso e fazer as pessoas sentirem algo especial.”

Berry usando aquele vestido colocou Saab no mapa e, desde então, o Líbano produziu uma infinidade de designers de alta costura talentosos que também estão deixando sua marca vestindo mulheres de Hollywood.

Os prós e contras de se vestir para o tapete vermelho

Quando a dupla Azzi & Osta recebeu a ligação informando que estavam vestindo a atriz alemã Veronica Ferres (Imagem: Divulgação)Catarina, a Grande, Banheiro feminino) para o Globo, eles sabiam a roupa que mais combinava com ela. “Quando o estilista de Veronica escolheu este look da nossa última coleção prêt-à-porter primavera-verão, pensamos que seria uma ótima combinação”, diz George Azzi. “Ela tem uma presença muito forte e o detalhe fora dos ombros combinaria perfeitamente com sua silhueta, carisma e corte de cabelo, ela usou perfeitamente! O design, com destaque principalmente para alfaiataria e cortes, o shape bicolor preto e branco com babado rodado no vestido estourou no tapete vermelho.”

Veronica Ferres, em Azzi & Osta, no 81º Globo de Ouro realizado no Beverly Hilton Hotel em 7 de janeiro de 2024 em Beverly Hills, Califórnia.

Gregg DeGuire/Globo de Ouro 2024/Getty Images

Seu parceiro de design Azzi & Osta concorda. “Na verdade, em cada design, imaginamos as principais mulheres como musas, e o que é mais um momento de luz das estrelas do que uma atriz de Hollywood no tapete vermelho durante a temporada de premiações”, diz Assaad Osta. “Isso dá à estrela os holofotes para comemorar suas conquistas, e o vestido certo sempre complementará o momento. A melhor parte é que se torna um momento eterno.”

A verdade é que às vezes os designers dão pouca atenção ao vestir uma atriz para uma premiação, mas se esforçam para que isso aconteça. Com aviso prévio de alguns dias antes do show até uma semana antes, eles precisam criar rapidamente um vestido com as medidas da atriz e enviá-lo para o local. A designer libanesa Rani Zakhem conhece muito bem a pressa. Em 2010, ele vestiu Betty White quando ela recebeu o prêmio pelo conjunto da obra no SAG Awards, ele vestiu Queen Latifah com um vestido de noite preto de sereia de um ombro em 2012 e Kaley Cuoco com um vestido de baile floral com espartilho em 2014, ambos para o Golden Globos.

Continua após a publicidade..

“É muito emocionante e emocionante, às vezes recebemos avisos de última hora para vestir uma atriz”, diz Zakhem THR. “Há muitas noites sem dormir e horas agitadas para terminar o vestido a tempo. Tive que fazer o vestido de Jacki Weaver em uma semana [for the 2013 Oscars]. Ou alguém envia o vestido para Los Angeles ou alguém o leva pessoalmente para Los Angeles. E naqueles momentos em que é preciso avisar com dois a três dias de antecedência, o vestido saiu da coleção e cabe na atriz como uma luva. Sempre fico muito feliz quando uma atriz talentosa usa um de meus vestidos no tapete vermelho.”

Camila Alves, vestindo Tony Ward, e Matthew McConaughey comparecem à festa do Oscar da Vanity Fair de 2024 em 10 de março de 2024 em Beverly Hills.

Jon Kopaloff/Getty Images

Ward diz que já passou por casos em que celebridades decidem no último minuto qual vestido usarão em um evento. “No entanto”, sublinha, “as peças que tinha em mente para estas lindas celebridades são, como sempre, o que reflete o seu estilo e as faz brilhar sob os holofotes de uma forma ousada com a minha assinatura em relevo”. Ecoando-o, Saab explica que “Nossa agência de relações públicas localizada em Los Angeles tem a tarefa de se comunicar diretamente com a celebridade ou estilista, a fim de ajudá-los a encontrar o vestido certo. Apresentamos-lhes uma seleção de vestidos que se alinha aos seus critérios. Às vezes, eles escolhem o visual como está ou nós o adaptamos e adaptamos para atender às suas expectativas.”

A longa história do design de moda no Líbano

Saab está longe de ser o primeiro estilista libanês a vestir mulheres notáveis. O falecido Elie Ward, um dos renomados alfaiates de Beirute e pai do costureiro Tony Ward, criou vestidos e peças prontas para vestir para mulheres do Iraque, Arábia Saudita, França e México. E antes dele, a alta costura no Líbano estava bem estabelecida e tem crescido cada vez mais nas últimas décadas.

Para compreender o legado do design de moda libanês, é necessário algum contexto histórico. O Líbano é um país que foi controlado durante séculos pelos egípcios, persas, gregos, otomanos, várias cidades-estado italianas, pelos sírios e pelos franceses. Como resultado, estas nações deixaram pedaços da sua cultura e do seu artesanato, que se infiltraram nas aldeias libanesas. Esse conhecimento de costura foi transmitido de geração em geração pelas mulheres libanesas aos seus filhos e netos durante gerações.

Cara Jade Myers, vestindo Georges Chakra, participa da 32ª festa anual de exibição do Oscar da Elton John AIDS Foundation em 10 de março de 2024 em West Hollywood, Califórnia.

He Dipasupil/WireImage

Mulheres visionárias como Madame Djenny, conhecida como “Chanel du Liban”, inspiraram a cena da alta costura do Líbano no final dos anos 1920 e início dos anos 1930. Mas, explica Challita, “só na década de 1960 é que os costureiros libaneses ganharam proeminência, coincidindo com o renascimento económico, turístico e social do país, dando a Beirute o epíteto de ‘Paris do Oriente’. Esta era catapultou o Líbano para os holofotes internacionais, atraindo luminares como a Rainha Soraya do Irã e a Imperatriz Farah Diba para visitar designers conceituados como Joseph Harouni e a mestre de bordado Madame Salha, a quem a Maison Lesage de François Lesage de Paris se referiu como o ‘Christian Dior de o leste.’ As celebridades europeias também recorreram à alta-costura libanesa pelos seus designs opulentos, especialmente conhecidos pelos seus ricos bordados com um toque oriental.”

Quinta Brunson em Georges Hobeika no Critics Choice Awards de 2024.

Amy Sussman/WireImage

Challita observa que os costureiros libaneses tornaram-se conhecidos pela sua atenção meticulosa aos detalhes e à opulência. Assim, mulheres como Lamia El Solh — conhecida por ter a cauda do vestido de noiva mais longa do mundo, desenhada por Madame Salha, quando se casou com o Príncipe de Marrocos, Moulay Abdallah, em 1961 — apareceram em Jogo de Paris revista e da Alemanha Rápido revista. “Além disso, os designs de Joseph Harouni enfeitaram a cerimônia de coroação da Imperatriz Farah Diba e, após seu falecimento, sua esposa Samia continuou o legado ao desenhar um vestido para Jacqueline Kennedy, a primeira-dama dos EUA, conforme contado por sua família. Harouni também vestiu a Rainha Soraya do Irão, marcando o seu impacto duradouro no mundo da alta costura”, diz Challita.

Essa rica história de mais de um século informa os designers libaneses de hoje. “Estou animado com os tapetes vermelhos deste ano. Tenho notado celebridades e estilistas mais ousados ​​e focando muito em peças artísticas para contar uma história”, diz Chakra. Saab acrescenta: “Estou sempre ansioso pela temporada de premiações, pois é um período muito especial para a indústria cinematográfica e para as atrizes que querem brilhar e estar sempre no seu melhor. E também é uma ótima oportunidade para os designers se superarem, mostrando seus trabalhos e inspirações mais recentes. Embora a abordagem na seleção de vestidos tenha mudado ao longo dos anos, ainda consideramos sempre um desafio superar as expectativas.”

Share.