Imagem de um satélite na órbita da Terra medindo o nível de metano
MethaneSat será lançado na órbita da Terra em março de 2024 (Imagem: Reprodução/EDF)

O grupo sem fins lucrativos Environmental Defense Fund (EDF) usará imagens de satélites e algoritmos do Google para mapear emissões de metano. A ação de combate às mudanças climáticas visa identificar e reduzir os atos críticos que contribuem com o aquecimento global.

Conforme a Agência Internacional de Energia, o metano é responsável por cerca de 30% do aumento da temperatura global desde a Revolução Industrial. Além disso, aproximadamente 40% das emissões do gás em atividades humanas estão relacionadas ao setor energético.

Continua após a publicidade..
Imagem de satélite mostra os pontos com maior emissão de metano por quilômetro quadrado
Satélite conseguirá identificar as regiões com maior emissão de gás metano (Imagem: Reprodução/EDF)

Desenvolvido pelo EDF e parceiros, o satélite MethaneSAT será lançado no começo do mês de março. Então, o projeto irá colher dados completos sobre as emissões de metano em todo planeta.

Atuando em uma altitude de mais de 560 km, o satélite irá orbitar a Terra 15 vezes ao dia. O objeto analisará os níveis de metano em regiões produtoras de petróleo e gás. Além disso, ele buscará por pequenas e grandes fontes de emissão do gás espalhadas no planeta.

O MethaneSAT usará algoritmos do Google Cloud para calcular emissões em certos locais e acompanhar ao longo do tempo. IAs da big tech também ajudarão a identificar infraestruturas de petróleo e gás, como contêineres de armazenamento. Uma tecnologia semelhante à usada pelo Google Maps para detectar ruas e estradas.

Continua após a publicidade..

Os dados coletados ajudarão os pesquisadores a terem um panorama mais específico sobre as principais origens de emissão do metano. As empresas de energia também poderão usar as informações para conter vazamentos.

Imagem ilustra como o MethaneSAT consegue identificar estruturas de petróleo e gás
MethaneSAT é programado para identificar estruturas de petróleo e gás (Imagem: Reprodução/EDF)

Dados do MethaneSAT serão divulgados publicamente

Todas as informações coletadas pelo MethaneSAT poderão ser acessadas publicamente pelo site do satélite do EDF e no Google Earth Engine. A plataforma da gigante das buscas tem mais de 100 mil usuários ativos mensais.

Continua após a publicidade..

“Disponibilizar os dados do MethaneSAT no Earth Engine tornará mais simples para as pessoas identificarem tendências e correlações entre as atividades humanas e o impacto ambiental”, disse Yael Maguire, vice-presidente de sustentabilidade do Google, em uma nota no blog da big tech.

Os dados coletados pelo satélite poderão ser comparados com outros mapas e documentos disponíveis na plataforma do Google. Bem como, os registros do EDF servirão para acompanhar as emissões de metano ao longo do tempo.

Com informações: Engajamento, MetanoSAT e Google

Emissão de metano será mapeada com IA e satélites

Share.