Depois de garantir seu lugar como um dos rappers mais influentes e ambiciosos do Reino Unido com o álbum ‘Conflict of Interest’ de 2021, Ghetts está determinado a se esforçar ainda mais. Explorando temas sócio-políticos e ideias conceituais que deixariam muitos de seus colegas perplexos, o novo disco do rapper e compositor de 39 anos, ‘On Purpose, With Purpose’, oferece um tipo de comentário social nítido e direcionado contra uma atmosfera sonora vibrante que combina hip-hop, rap, dancehall, afrobeats e soul.

Continua após a publicidade..

Recém-ganhado o Pioneer Award nos MOBOs de 2024, Ghetts conversou com NME em seu estúdio no leste de Londres para discutir a construção do sucesso de ‘Conflict of Interest’, a descoberta de um estilo vocal mais calmo e a luta contra o “espaço seguro” em que o rap do Reino Unido se encontrou. Leia a entrevista abaixo ou assista à conversa completa acima .

Crédito da foto: Seye Isikalu

Parabéns pela vitória no MOBO Pioneer Award. Como foi esse momento?

“Parecia um marco. Parecia um ponto de verificação na minha carreira. Parecia algo inspirador saltar em direção a outra coisa. eu ia subir [to collect the award] sozinho, mas eu apenas olhei para meus pais e disse “Mãe, você quer subir?” Eu sabia que talvez se minha mãe não me acompanhasse, eu me arrependeria disso mais tarde na vida. Isso será algo incrível de se olhar para trás.”

Estamos aqui hoje para falar sobre seu novo álbum ‘On Purpose, With Purpose’. A sequência do álbum parece significativa – por que você o estruturou dessa maneira?

“Sempre quis que a música parecesse um filme, para proporcionar ao ouvinte uma compreensão única dos meus processos de pensamento ou do que está acontecendo na minha vida. Mais uma vez, consegui um colaborador e amigo de longa data, TJ Amadi, no sequenciamento… ele tem uma compreensão única de mim como uma pessoa que vai além da música, e acho que isso é importante quando estamos colaborando, porque às vezes trabalhamos com base em suposições ou suposições. de como alguém pode ser, mas às vezes está muito longe da verdade.”

As primeiras oito faixas parecem uma continuação de ‘Conflict of Interest’, mas depois as coisas tomam uma direção diferente. Como você vê a relação entre os dois álbuns?

“Definitivamente existe uma relação entre os dois, porque nunca mais parei de gravar depois de ‘Conflict of Interest’. Eu estava no estúdio quando estava no número 2, trabalhando em novas músicas. [I was] ser destemido em termos de não tentar recriar ‘Conflito de Interesse’, mas fazer algo que fosse diferente e contasse uma história diferente e fosse sonoramente diferente. Quando você sente que fez algo certo e as massas se identificam com isso, é fácil estar no reino de ‘Vamos fazer algo assim, funcionou’, mas acho que criativamente esse é um lugar perigoso para se estar.”

Crédito da foto: Seye Isikalu

Quão importante é para você trabalhar com produtores e colaboradores em quem você confia?

“É sempre uma conversa. Há toda essa coisa sobre a capacidade de atenção das pessoas ser menor, e acho que quando você não é criativo e está mais voltado para os negócios, essas questões entram em jogo. Mas para mim e para os criativos com quem trabalho, pensamos mais: ‘Parece certo? São oito minutos? Você percebeu que eram oito minutos quando você estava ouvindo? Ou você apenas gostou?

De onde você acha que vem seu impulso para criar corpos de trabalho coesos?

“Ouvir grandes projetos antes de iniciar minha carreira. O álbum foi o mais importante, antes da era dos singles assumir o controle, tratava-se de construir um corpo de trabalho coeso que mostrasse diferentes emoções e diferentes lados do indivíduo. ‘The Chronic’ do Dr Dre, ou ‘Get Rich or Die Trying’ de 50 Cent, ou ‘The Blueprint’ de Jay Z.”

Continua após a publicidade..

O álbum termina com duas faixas profundas e emotivamente poderosas, ‘Street Politics’ com Tiggs da Author e ‘Jonah’s Safety’ com Pip Millet, uma exploração da depressão pós-parto. Você poderia me contar sobre a história por trás da última faixa?

“Um dia eu estava indo de sala em sala neste estúdio. Reiss Nicholas, um colaborador e amigo de longa data, disse ‘Tenho um loop para você’. No primeiro minuto, eu tinha as duas primeiras linhas. Eu pensei ‘Dentro dessas duas linhas está um conceito poderoso que precisa de mais pesquisas, vou deixá-lo aí.’ Eu queria ser respeitoso, porque é difícil ser homem ter uma visão abrangente do que uma mulher pode passar – depressão pós-parto. Provavelmente estou apenas arranhando a superfície, tanto quanto um homem poderia entender…”

“Eu definitivamente queria levar minha escrita para um novo lugar onde nunca estive antes. Eu estava olhando para o rap e sentindo que nos últimos anos… tem estado em um espaço muito seguro… ‘Isso é legal, é sobre isso que vamos fazer rap, isso funciona’. Eu queria ser mais destemido. Vamos falar sobre algo real, mas sem parecer muito enfadonho ou chato.”

‘Double Standards’ é outra faixa onde você atinge bem esse equilíbrio. Uma linha particularmente marcante é “Steve Jobs não deixa seus filhos usarem iPad / E meus filhos acham que sou mau, louco”. É uma história cômica, mas capta a ideia de criar filhos em um mundo difícil e injusto. Como você tenta prepará-los para esse mundo?

“Eu ainda estou aprendendo. Com minha filha de 11 anos, tento conversar com ela, não contar coisas para ela. Gosto de contar a ela porque penso isso, e ver o que ela pensa sobre isso, e conversamos, porque as crianças são muito mais espertas do que pensamos, muito mais alertas. Seus cérebros são muito mais parecidos com esponjas do que os nossos, eles podem absorver coisas diferentes.”

Continua após a publicidade..

Recentemente, você doou o orçamento do vídeo de ‘Laps’ com Moonchild Sanelly para o clube de atletismo local em Newham. Como a área mudou desde que você cresceu em Newham?

“Newham mudou muito. Além da estética, as vibrações mudaram, é um lugar muito mais sombrio do que quando eu era criança. Se estou em condições de ajudar e posso, quero ajudar. Todos nós precisamos ter essa atitude. O sistema só está quebrado para nós, o sistema está funcionando para quem o sistema deveria funcionar. Fomos divididos pela raça e pela religião e passamos a maior parte dos nossos dias discutindo entre nós enquanto aqueles que deveriam ficar ricos estão apenas desistindo. Minha ideia é apenas ‘vamos nos ajudar’”.

Crédito da foto: Seye Isikalu

Você já falou antes sobre a estranheza de só ganhar reconhecimento generalizado pela sua música após 15 ou 16 anos de carreira. Quais são os benefícios dessa espera?

“O ditado ‘a nata sempre chegará ao topo’, acho que minha carreira é uma prova disso e do poder da consistência. Talvez eu estivesse um pouco à frente de cada vez e as pessoas só precisassem de tempo, e tudo bem porque tudo está como deveria ser e tudo será como deveria ser.”

Ao longo desse tempo, uma coisa que realmente marcou você como artista foi o uso da voz como instrumento. Quando você reconheceu essa habilidade pela primeira vez e como você a desenvolveu?

“Foi estudando muitos grandes cantores e instrumentistas, olhando para a minha ferramenta e pensando como eu poderia aprimorá-la. Assim como um cantor pode mudar o tom, por que não posso fazer isso? Tenho sessões de estúdio onde estou me esforçando, faço um verso 100 vezes, e não estou fazendo isso 100 vezes porque não é bom, estou fazendo isso 100 vezes porque dentro desse verso, há cerca de 1000 maneiras Eu poderia dizer isso para que o ouvinte pudesse apreciar.”

Falando nisso, uma coisa que me impressiona no novo álbum é que você está mais calmo. Você não vai entrar no Modo Gueto!

“É verdade. Meu tom meio que mudou… então estou apenas trabalhando com meu novo tom, passando pelas mudanças. Eu sinto que vou encontrar uma nova versão de Ghetto em algum momento, em termos de raiva, mas onde soe lindo, sonoramente. Mas ainda estou tentando explicar e resolver isso. Acho que ‘Laps’ é o mais próximo que cheguei neste álbum – tem aquela energia, mas ainda é sonoramente agradável aos ouvidos. O que realmente me irritava era que eu tinha todo esse jogo de palavras doentio e todas essas coisas que fazia, e as pessoas meio que se referiam a mim como o cara da energia. Isso costumava realmente me incomodar. Então percebi que há uma maneira de fazer isso, e há uma quando fazer isso, e um como fazer isso.”

Crédito da foto: Seye Isikalu

Você estará em turnê no final de março. Como você está se sentindo sobre isso?

“Estou pensando nisso agora e montando um show na minha cabeça. Vou ficar com meu irmão e vamos tornar isso incrível. Mas temos um grande lugar para ocupar, porque Roundhouse na última turnê foi alucinante. Mas vamos fazer isso, definitivamente, vai ser incrível, eu sei disso por causa do tempo que vamos investir nisso.”

O novo álbum de Ghetts, ‘On Purpose, With Purpose’, já foi lançado.



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email