IDLES voltou com o novo single ‘Dancer’ com James Murphy e Nancy Whang do LCD Soundsystem, além de revelar detalhes do quinto álbum ‘TANGK’. Confira abaixo, junto com nossa entrevista com o vocalista Joe Talbot.

Continua após a publicidade..

A notícia chega depois que a banda fez um show secreto estridente no Village Underground de Londres na noite passada (terça-feira, 17 de outubro), onde se apresentou sob o nome de ‘TANGK’ para um público com ingressos esgotados e prontos para mosh e apresentou as novas músicas ‘Gratitude’ e ‘Dancer ‘em um conjunto que abrange toda a carreira.

Com lançamento previsto para 16 de fevereiro pela Partisan Records, o ‘TANGK’ de 11 faixas foi produzido por Nigel Godrich (Radiohead, The Smile, Beck), Kenny Beats (Denzel Curry, Vince Staples, Benee) e o guitarrista do IDLES, Mark Bowen. Ele também vem com uma prévia do single principal ‘Dancer’ – com backing vocals do vocalista do LCD Soundsystem, James Murphy, e da multi-instrumentista Nancy Whang, após as duas bandas tocarem juntas em várias datas nos EUA no início deste ano.

Falando com NMETalbot explicou como ele abordou Murphy e Whang para fornecer os vocais depois que uma versão anterior da música com o guitarrista do Bowen, Lee Kiernan, “não conseguiu realmente cortar”.

“Se você não perguntar, você não receberá”, disse Talbot. “A essa altura, já estávamos em turnê com eles há algumas semanas e sabíamos que eles eram seres humanos adoráveis. Eles tiraram uma folga do dia e nos levaram para o estúdio deles. Eles foram realmente acolhedores e adoráveis, tão trabalhadores, pacientes e incríveis. Eles estão doentes.

Falando sobre a conexão do IDLES com o LCD, Talbot disse: “Com todos os membros, aprendi a conhecer alguns deles. A história deles como músicos individuais e o que eles fazem é simplesmente lindo. Eles têm tudo a ver com o que eu quero – que é fazer as pessoas se sentirem conectadas ao universo e fazê-las sentir que pertencem a algo muito maior do que elas mesmas.

“A humildade deles era muito humilhante. Eles conquistaram muito, são muito sábios, mas estão ali para aprender. Sua falta de ego surge com a vontade de aprender com todos ao seu redor – incluindo sua equipe que os ama profundamente. Foi uma experiência muito agradável e aprendi muito com James, Nancy, Pat [Mahoney, drums] e todos na banda; sobre ser um músico e uma pessoa. Eu não poderia falar melhor deles.”

Com as letras autoexplicativas de ‘Dancer sobre movimento e conexão com os fãs da banda, Talbot disse que era representativa do espírito do eclético e expansivo ‘TANGK’.

“Quando comecei este álbum, disse a Bowen: ‘Quero fazer as pessoas dançarem, quero que as pessoas sintam o amor que preciso na minha vida, quero fazer as pessoas se mexerem, quero que a nossa música seja contagiante novamente – e quero que seja contagioso de uma forma que faça as pessoas sentirem, não pensarem. Quero me sentir parte de algo elétrico novamente’”, disse Talbot NME.

“Queria elaborar e transgredir o ‘CRAWLER’ de 2021, que foi o início de algo novo para nós. Quando algo parece tão elétrico quanto ‘CRAWLER’, eu só queria continuar e evocar um senso de propósito com o que somos como músicos.”

NME conversou com Talbot para discutir positividade, levando as coisas adiante

Joe Talbot do IDLES se apresenta no Village Underground em 17 de outubro de 2023 em Londres, Inglaterra. (Foto de Matthew Baker/Getty Images)

Olá Joe. Falando com NME na época de ‘CRAWLER’, você explicou como a banda estava procurando recuperar a “essência” do IDLES e se livrar de um pouco da raiva e negatividade de ‘Ultra Mono’. Onde você está em ‘TANGK’?

Talbot: “Nossa experiência como músicos, e a minha e de Bowen como pais, significou que nossa escrita seguiu um curso muito natural – que foi absorver toda a gratidão que recebemos ao sermos carregados durante aquela pandemia. Foi uma época muito linda para mim. Passei muito tempo com minha filha, passei muito tempo aprendendo e aprendi a ser um compositor melhor. Eu me desafiei. Tive a amplitude, o espaço e a graça para fazer isso, então sou muito grato por isso.

“Como pragmático, Bowen nem tanto (mas ele é um trabalhador esforçado), eu queria manifestar minha atitude em algo. O que isso significou foi olhar para a nossa jornada desde ‘Ultra Mono’ até ‘CRAWLER’, que foi uma experiência de aprendizagem. Foi-nos dado espaço para mudar de pele novamente. Não por culpa ou porque fizemos besteira, mas porque queríamos propositalmente terminar aquele capítulo de forma brilhante – e conseguimos – e então começar um novo capítulo com um público paciente e aberto. O resultado disso é o nosso novo disco, que é o melhor que fizemos porque é o melhor que somos.”

De que maneira?

“É a nossa composição mais vívida e mais bem-sucedida. Terminamos as músicas. Algumas músicas de ‘CRAWLER’ estavam praticamente inacabadas. Isso não foi por algum tipo de medo, mas por uma sensação de equilíbrio. Nós pensamos: ‘Isso vai levar a algum lugar, mas não vamos forçar’. Estava inacabado no sentido de que não tinha um arco narrativo e a linguagem musical que queríamos, mas o que tínhamos eram músicas e partes que amávamos. Agora temos isso sob controle e somos capazes de criar esse arco e finalizar as músicas. Sentimos que podemos seguir em frente, ponto final.”

Continua após a publicidade..

Mark Bowen, Joe Talbot e Adam Devonshire do IDLES se apresentam no Village Underground em 17 de outubro de 2023 em Londres, Inglaterra.  (Foto de Matthew Baker/Getty Images)
Mark Bowen, Joe Talbot e Adam Devonshire do IDLES se apresentam no Village Underground em 17 de outubro de 2023 em Londres, Inglaterra. (Foto de Matthew Baker/Getty Images)

Tem uma música no novo álbum chamada ‘POP POP POP’, que é quase trip-hop. Você sente que pode fazer qualquer coisa agora?

“Sim e não. Eu senti que poderia fazer qualquer coisa quando fiz [2016 single] ‘Bom trabalho’. Eu estava trabalhando como KP em uma cozinha, ouvindo um monte de Estrada arriscada coisas e muita sujeira. Eu pensei que era tão elétrico e queria fazer minha própria versão dele. Não vou fingir que sou um roadman, mas fiquei apaixonado por esse movimento e fiz ‘Well Done’ a partir dele. Apenas pela cadência das letras, nada mais; musicalmente não soa como grime.

“Depois disso eu pensei: ‘Sim, você pode brincar com as coisas e se você for honesto e amar algo o suficiente e registrar isso, então as pessoas verão esse amor. Quer eles gostem ou não, não é problema seu. Saí disso percebendo que se eu quiser fazer uma música de glam rock, então farei uma música de glam rock. Se eu quiser fazer um disco de hip-hop ou uma faixa barulhenta, então farei. Os porteiros serão os que perderão o sono – já estou nos portões. Construímos o Cavalo de Tróia há 12 anos.”

O que Nigel Godrich e Kenny Beats trouxeram para o álbum desta vez?

“Brilho. Eles trouxeram brilho e nos permitiram ser brilhantes. Um bom produtor, na minha pouca experiência e humilde opinião, é alguém que faz o artista brilhar e permite que ele floresça na sua própria linguagem. Para dar-lhes as ferramentas e as habilidades necessárias para expandir e transgredir para o próximo capítulo de suas vidas.

“Você nunca pode ser maior ou melhor. Você só pode ser algo que você é naquele momento. Se você se questiona ou se distrai com uma técnica ou processo, ou tem medo de ser julgado por seu público, então você precisa de alguém como Kenny Beats ou Nigel Godrich para trazê-lo de volta e ajudá-lo a ver onde você está naquele ponto.”

Eles simplesmente ‘chegam’ onde você está como os outros não?

“Há uma paleta lá desde o início. Tentamos explicar isso às pessoas, aos produtores e engenheiros, para fazer essa paleta e propósito acontecer, mas você precisa de alguém que possa orquestrar todos esses egos, visões, experiências e traumas em algo tangível. Entre Kenny, Nigel e Bowen, isso aconteceu lindamente. Eu estava em uma situação muito ruim quando estávamos fazendo esse álbum e isso quase não aconteceu. Entramos na sala e de repente o propósito estava ali. Montamos tudo e tudo cristalizou. O álbum se tornou como a porra de um trem de carga. Eu não teria sido capaz de cantar o que fiz sem eles.”

IDLES se apresenta no Village Underground em 17 de outubro de 2023 em Londres, Inglaterra.  (Foto de Matthew Baker/Getty Images)
IDLES se apresenta no Village Underground em 17 de outubro de 2023 em Londres, Inglaterra. (Foto de Matthew Baker/Getty Images)

Continua após a publicidade..

Há alguma música em particular no disco que capture esse espírito transformador e transgressor?

“Ideia 01′ e ‘POP POP POP’ – por causa da contenção. Venho fazendo algumas dessas coisas há 12 anos, mas não com equilíbrio ou compostura. É aquela fábula que mencionei antes; aquela ideia do sol e do vento. Eu tenho sido o vento. Pensei que era o sol o tempo todo, mas era o vento.

“Tenho realmente tentado incorporar todas as coisas que amo – mas você não pode ser Sam Cooke a menos que tenha compostura. Ele passou por muito mais conflitos do que eu jamais passei, e carregou aquele trauma, aquele amor e tudo o que há na música soul que é tão lindo, com compostura. Sempre soube que poderia cantar até certo ponto. Eu só precisava de alguém para me ajudar a fazer isso com alguma moderação e um pouco de paz interior. A maioria das músicas deste álbum são transgressoras em termos de composição. Aprendi muito mais com cada música deste álbum do que desde ‘Brutalism’ ou ‘Joy As An Act Of Resistance’”.

Como você se sente em relação à sua conexão com o culto de fãs do IDLES nesta fase da sua carreira?

“Eles são o que nos faz. Esse clichê não envelhece. Estamos aqui por causa deles, mas sabíamos disso desde o início. Construímos nossa carreira com nosso público e isso é fato. Quando você começa jogando para cinco pessoas e pratica a gratidão com as cinco pessoas extras para perfazer 10, logo você entra em um ciclo de gratidão.

“O público é a razão pela qual a música e a música ao vivo são tão mágicas – é a troca que temos. Isso é algo que sempre disse desde o primeiro dia. Eu comecei a banda para me sentir como algo maior do que eu e para ser carregado por pessoas que pensam como eu e de coração aberto, que me tirariam do terrível trauma em que eu estava, por perto e causando naquele momento.

“Eu não era apenas uma vítima – eu era um idiota. As pessoas ao meu redor realmente me carregaram e me ajudaram a sair dessa situação, e estou muito grato por isso. O público era o mesmo; eles foram uma parte paciente e vívida de nossa carreira. Acabou de crescer. É maior, mais poderoso e é a razão pela qual estamos conversando agora.”

Como você está se sentindo agora?

“Grato. Sinto-me muito sortudo por estar aqui. Neste momento, estou a uma hora de ir buscar a minha filha à escola e não quero nada mais da vida do que o que tenho agora. Talvez uma sensação de paz e tal, mas isso vem com o tempo e a prática.”

Algo a acrescentar?

“Foda-se o rei. ”

IDLES retorna com 'Tangk'.  Crédito: Imprensa
IDLES retorna com ‘Tangk’. Crédito: Imprensa

IDLES lança ‘TANGK’ em 16 de fevereiro. aqui e confira a tracklist abaixo.

1. ‘IDEIA 01’
2. ‘Cavalo de presente’
3. ‘POP POP POP’
4. ‘Roy’
5. ‘Um Evangelho’
6. ‘Dançarina’
7. ‘Graça’
8. ‘Hall & Oates’
9. ‘Selva’
10. ‘Gratidão’
11. ‘Monólito’

As próximas datas da turnê da banda estão abaixo. Visite aqui para ingressos.

NOVEMBRO DE 2023
27 – Istambul, Zorlu PSM

DEZEMBRO DE 2023
1 – Hong Kong, aba do Relógio
2 – Bangkok, Festival Maho Rasop

FEVEREIRO DE 2024
29 – Porto, Super Bock Arena

MARÇO DE 2024
1 – Madri, Wizinik
2 – Barcelona, ​​Clube Sant Jordi
5 – Milão, Alcatraz
7 – Paris, Zênite
8 – Amsterdã, Holanda @ AFAS
9 – Antuérpia, Lotto Arena
11 – Praga, SaSaZu
12 – Luxemburgo, Rockhall
14 – Zurique, Salão 622
15 – Berlim – Salão Max Schmeling
16 – Hamburgo, pavilhão desportivo
18 – Estocolmo, Cervejaria Munchen
19 – Copenhague, KB Hallen
21 – Colônia, Paládio
22 – Munique, Zênite
23 – Frankfurt, Jahrhunderthalle



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email