Loyle Carner falou sobre a importância de usar seus shows ao vivo para falar contra a masculinidade tóxica e relembrou como ele cresceu desde seu álbum de estreia. Confira a entrevista completa acima.

Continua após a publicidade..

O cantor e compositor britânico de hip-hop alcançou NME no tapete vermelho do Mercury Prize deste ano, e relembrou seu enorme set em Reading & Leeds no início deste ano.

Aqui, o artista selecionado refletiu sobre sua atuação no palco principal no mês passado e revelou por que dedicou grande parte do set para neutralizar atitudes prejudiciais.

“É mágico, cara”, ele começou, explicando como foi gerar uma resposta tão positiva em seu show ao vivo. “Sinto que nas conversas que tive depois do show, esses pequenos trechos significam mais. Como quando as crianças dizem ‘Obrigado’.”

Carner também se lembrou de como alguém entrou em contato com ele após o set para lhe dizer que sua atuação comovente encorajou seu filho a se apresentar e iniciar uma discussão sobre saúde mental.

“Recebi uma linda mensagem de uma mãe aleatória no Instagram dizendo que o filho dela passou por algumas coisas. Não preciso divulgar, mas foi a primeira vez que ele conseguiu dizer para ela ‘Ei, o que eu passei, me machucou’”, acrescentou o artista. “Acho que é importante dar às crianças um lugar para conversar assim – especialmente aos homens jovens, porque não era permitido quando eu cresci.”

Loyle Carner se apresenta no palco durante a premiação do Mercury Prize 2023 no Eventim Apollo em 7 de setembro de 2023 em Londres, Inglaterra. CRÉDITO: JMEnternational/Getty Images

Ele continuou: “Foi engraçado, cara, aquele vídeo foi postado em algum Instagram [page]… e os comentários sobre isso foram tão tóxicos. Dizer toda essa merda sobre mim e isso deveria apenas calar minha boca… me fez perceber o quão importante é dizer isso [message] porque essas crianças estão tão perdidas quanto eu.”

Continua após a publicidade..

Em outra parte desta discussão com NMECarner também revelou como evoluiu como artista e percebeu uma mudança entre seu último álbum, ‘Hugo’, e seu álbum de estreia, ‘Yesterday’s Gone’, de 2017.

Ambos os álbuns viram o músico selecionado para o Prêmio Mercury, no entanto, desta vez ele disse que foi capaz de comparecer à cerimônia com um senso mais amplo de clareza e de aproveitar o marco mais do que antes.

“Eu acho que toda vez que você está fazendo um álbum, você o está fazendo em resposta ao que você acabou de fazer antes. Acho que isso é verdade em relação ao que fiz até agora”, disse ele. “Sinto que sou capaz de me levar menos a sério [than in 2017, especially] quando se trata de coisas assim, o que significa que posso aproveitar mais as coisas.”

“Eu também sou pai agora. Durmo menos – é assim que sou diferente! Estou exausto o tempo todo. Essa é a verdadeira diferença”, continuou ele, compartilhando sua admiração por outros artistas selecionados este ano.

Continua após a publicidade..

Loyle Carner se apresenta no palco durante a premiação do Mercury Prize 2023 no Eventim Apollo em 7 de setembro de 2023 em Londres, Inglaterra.
Loyle Carner se apresenta no palco durante a premiação do Mercury Prize 2023 no Eventim Apollo em 7 de setembro de 2023 em Londres, Inglaterra.

“É profundo, porque, quando entrei antes, me senti um estranho olhando para dentro, sabe?
O que adorei em estar aqui da última vez foi me sentir parte da conversa. Isso é tudo que eu sempre quis, apenas estar dentro e entre alguma coisa.

“Isso é profundo para mim porque essas são pessoas que eu realmente respeito – Ezra Collective, esses são meus caras. Olivia Dean, eu amo muito. Jovens Padres, com quem nunca conversei, mas sou um grande fã. Então, estar perto dessas pessoas [like] Tímida, isso é doentio para mim.

O terceiro álbum de Carner, ‘Hugo’, chegou em outubro passado e, em uma crítica de quatro estrelas, NME descreveu o lançamento como “seu disco mais polido até agora”.

“Carner se move[s] desde uma narrativa dinâmica e multissilábica até uma voz mais honesta e reflexiva”, dizia. “É pessoal, mas de longo alcance; o rapper lamenta seu pai, mas também lamenta estranhos, crianças perdidas na violência, no crime, em um estado hostil. Ele está triste, plenamente consciente da injustiça do mundo, mas mais à vontade com o seu lugar nele.”

Também no Mercury Prize deste ano, a banda de jazz britânica Ezra Collective levou para casa o cobiçado prémio – vencendo a concorrência de nomes como Raye, Young Fathers, Arctic Monkeys, Lankum, Shygirl, Jockstrap e Jessie Ware.

Falando com NMEo baterista da banda, Femi Koleoso, explicou o que significou para o Ezra Collective representar a comunidade do jazz na prestigiosa cerimônia de premiação, dizendo que foi “maravilhoso fazer parte de algo tão grande e tão especial”.



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email