A vida de Rosa Bonheur, uma feminista e artista pioneira que alcançou a fama na França do século XIX, será interpretada por Melanie Laurent em um extenso filme de época dirigido por Fabienne Berthaud.

“Rosa Bonheur” está sendo produzido por Carole Scotta, Barbara Letellier e Caroline Benjo na Haut et Court, a empresa por trás de “Coco Before Chanel” e “The Night of the 12th”, que ganhou vários prêmios Cesar no ano passado.

Continua após a publicidade..

A cinebiografia reúne Haut et Court com Berthaud seguindo seus filmes anteriores, notadamente o estrelado por Diane Kruger, “Lily Às vezes”, que foi exibido na quinzena dos diretores de Cannes em 2010, e “A Bigger World”, de 2019, estrelado por Cecile de France, que fez uma reverência em Veneza. Haut et Court também distribuirá “Rosa Bonheur” na França.

O filme será rodado no bem preservado ateliê de Bonheur em seu Château de By em Thomery, onde ela trabalhou e viveu por mais de 40 anos, ao lado de sua parceira Nathalie Micas e mais tarde com Anna Klumpke, uma pintora americana. A equipe principal inclui Nathalie Durand, diretora de fotografia do premiado filme de Xavier Legrand em Veneza, “Custody”.

“Fabienne sempre lançou luz sobre mulheres fortes à margem da sociedade, com o objetivo de dar-lhes voz”, disseram Scotta e Letellier. “Bonheur foi ignorada por muito tempo, embora ela fosse imensamente famosa em sua época.”

Continua após a publicidade..

Berthaud está trabalhando em estreita colaboração com Katherine Brault, que comprou o Chateau de By em 2017 e o transformou em museu. Pelo castelo e seus sótãos, Brault descobriu centenas de cartas, obras de arte, objetos e documentos que permaneceram intactos por mais de um século e serão usados ​​por Berthaud no filme.

Bonheur, que pintou animais em seu ambiente natural com realismo meticuloso, foi a primeira artista feminina a receber a Legião de Honra. Ao entregar o prestigioso prêmio a Bonheur, a Imperatriz da França Eugénie, esposa de Napoleão III, declarou: “O talento não tem gênero”. Bonheur era um rebelde que nunca se casou e viveu com uma mulher. Ela também usava calças, o que exigia que ela conseguisse uma autorização para se travestir da polícia de Paris. Para conseguir essa autorização, Bonheur argumentou que precisava se vestir de homem para visitar matadouros e feiras de animais para pintar.

Embora fosse vista como uma mulher excêntrica, ela conseguiu alcançar fama e fortuna durante sua vida, e foi até abraçada pela realeza.

Continua após a publicidade..

Falando com Variedade, Berthaud disse que o traço comum entre “Rosa Bonheur” e seus filmes anteriores é o vínculo que seus personagens têm com os animais e a natureza. “Ela deu alma aos animais e continua até hoje sendo uma figura importante da emancipação feminina – uma mulher que nunca fez concessões e nunca foi uma cortesã”, disse Berthaud, que descreveu o projeto como uma ode às mulheres ousadas, aos animais e aos animais. amor livre.

“Era raro um artista ganhar a vida com a sua arte, especialmente para uma mulher, mas ela conseguiu – vendeu as suas pinturas em todo o mundo e comprou o castelo aos 40 anos”, continuou ela. Bonheur jurou nunca se casar e trabalhou duro para ser financeiramente independente depois de crescer na pobreza e ver sua mãe morrer de exaustão, criando quatro filhos sozinha. O pai de Bonheur foi uma figura ambivalente em sua vida, tendo abandonado a esposa e os filhos para ingressar no movimento socialista saint-simoniano. Ele voltou à vida de Bonheur após a morte de sua mãe e a encorajou a estudar arte.

O filme também narrará a aclamação mundial de Bonheur, inclusive nos Estados Unidos, onde ela fez amizade com William Frederick Cody, também conhecido como Buffalo Bill. A obra mais icônica de Bonheur, “The Horse Fair”, que é uma tela de 5 metros inaugurada em 1853, está atualmente exposta no Metropolitan Museum of Art de Nova York. Refletindo sobre o perfil internacional de Bonheur, “Rosa Bonheur” será filmado em francês com alguns diálogos em inglês.

Laurent, que também é uma feminista e ativista declarada, teve sucesso como diretora e atriz tanto na França quanto nos EUA. Seus créditos como atriz incluem “Bastardos Inglórios”, de Quentin Tarantino, “The Mad Women’s Ball”, que ela também dirigiu e interpretou. em Toronto, bem como “6 Underground” e “Murder Mystery 2”. Como cineasta, Laurent dirigiu “Breathe”, exibido na Semana da Crítica de Cannes, e “Galveston”, estrelado por Ben Foster e Elle Fanning. Ela também co-dirigiu (com Cyril Dion) “Tomorrow”, um documentário que explora soluções para a crise climática.

Share.