Emily Haines da Metric falou com NME sobre a segunda metade do projeto ‘Formentera’, sua recente turnê pelos EUA com High Flying Birds de Noel Gallagher e como ela abordou sua “positividade tóxica”.

Continua após a publicidade..

O álbum de nove faixas ‘Formentera II’, lançado na semana passada, foi em grande parte escrito e gravado ao mesmo tempo que o álbum ‘Formentera’ do ano passado e concluído no Motorbass Studios em Paris no início deste ano. Para marcar o lançamento, Haines e o guitarrista do Metric Jimmy Shaw fizeram recentemente uma série de shows acústicos no Reino Unido, após uma série de shows nos EUA e Canadá comemorando o 20º aniversário de seu álbum de estreia ‘Old World Underground, Where Are You Now? ‘

Haines conversou com a NME logo após seu show em Londres, que ela descreveu como “10 de 10”

“Sentamo-nos ao piano com um violão, e eu já tinha planejado o setlist que talvez as pessoas cantassem junto nas últimas músicas do show inteiro”, disse ela. “Em vez disso, desde o início do show, era como um coral e todos estavam bem. Eles estavam cantando cada palavra. Durante toda a noite, todos apenas cantaram.

“Estava tão quente lá dentro! Isso me lembrou dos primeiros dias quando estávamos em turnê pelo Reino Unido com Test Icicles e DFA 1979 na era indie sleaze e Dev [Hynes] crowd-surfing em uma propriedade da Academia. Era meio que o suor do punk rock, mas quieto e com um coral, foi surreal.”

As datas vieram após a turnê do Metric pelos Estados Unidos com Noel Gallagher e Garbage. “Nós nos divertimos muito”, disse Hynes. “Todo mundo foi adorável. Obviamente, Noel é tão famoso, mas é diferente nos EUA e ele foi incrivelmente realista e acessível conosco, o que foi um grande alívio. É tão bom quando as pessoas são humanas.”

A NME conversou com Haines por telefone para discutir seu mais recente projeto duplo, a vida longe da internet e a “positividade tóxica”.

NME: Olá Emily. Como o ‘Formentura II’ se relaciona com o primeiro tempo?

Haines: “As 18 músicas foram todas criadas no mesmo momento, que foi de 2020 a 2023. E nos vimos recuando em 2022, olhando para esse corpo de trabalho e tentando estabelecer a melhor forma de lançá-lo. Não parecia a coisa certa a fazer lançar tudo de uma vez e também não parecia muito divertido dizer a todos que havia outro vindo. Então optamos pela surpresa de anunciá-lo no aniversário de um ano do primeiro álbum. Então conseguimos terminar ‘Formentera II’ no Motorbass em Paris – o que foi uma espécie de vitória estética porque estávamos tão presos o tempo todo que parecia.

“Foi muito bom ir para o Motorbass, onde estavam muitos desses álbuns que amamos, principalmente Air e Sebastian Tellier que estávamos ouvindo. [were recorded]. Com todo o conceito de ‘Formentera’, ambos os álbuns, sendo uma fuga sonora porque não podíamos ir a lugar nenhum, foi muito bom ir a algum lugar. Você já viu o filme de Terry Gilliam Brasil? Até a fonte é como Brasil. Naquele filme, na cabeça dele ele vai para esse lugar – é o Brasil, mas não é o Brasil. É a ideia de que qualquer paraíso de fantasia que algumas pessoas possam habitar, para muitos de nós tem que ser algo que você constrói em sua mente ou, neste caso, constrói sonoramente. O mais próximo que você chegará de uma ilha é quando você fecha os olhos, coloca seus fones de ouvido e pronto.

Continua após a publicidade..

Emily Haines, do Metric, se apresenta no The Greek Theatre (Foto de Kevin Winter/Getty Images)

Você estava procurando discernir entre as duas metades? A primeira parte parece mais emocionante, por exemplo.

“Honestamente, não posso te dizer a lógica. Éramos todos nós em sessões muito intensas no quadro branco tentando todas as permutações, como se estivéssemos tentando decifrar o código do universo de como essas músicas se relacionam umas com as outras em cada álbum, mas depois se relacionam de volta. Para mim, ‘Descendents’ está conectado a ‘Doomscroller’ na intensa parte sonora eletrônica disso. O conceito é apenas a ideia de que tentamos fazer algo idealmente poderoso e atraente o suficiente para que você pudesse entrar, fechar os olhos e entrar nele, da mesma forma que você pode ir fisicamente para um lugar.”

‘Suckers’ é sobre a vida na internet?

“Na verdade, é o fato de que para a maioria de nós não existe mais diferenciação entre internet e vida. Antes da pandemia, ainda havia uma sensação de que “existe o mundo e depois existe o mundo online”. Então o último véu caiu e agora para mim não há diferença. É uma coisa. Você pode estar tão isolado e se sentir envolvido em todas essas coisas, mas no final das contas tudo é apenas uma representação. O calor não é o sol. O sol é o sol. Tudo é um símbolo de alguma coisa, em vez de ter a sua própria experiência física de algo que talvez você não relate a ninguém e você apenas sinta que é a coisa real, não a foto da coisa ou a referência à coisa.”

‘Who Would You Be For Me’ – uma canção romântica de Nova York – parece uma história verdadeira”

“É como na ficção, quando você obtém composições de coisas em camadas. Eu escrevi essa música em 2019, quando não conseguia descobrir onde diabos morar. É como, ‘Talvez eu volte para Nova York, talvez eu volte para Los Angeles’. Acabei voltando para Los Angeles. Mas o Parque Tompkins Square [in New York] é uma âncora para mim. Grande parte da minha vida foi nesses quarteirões e trabalhei em um café e tive atitude. Tudo ali vem da experiência da minha vida, mas é uma composição de pessoas e lugares.”

Continua após a publicidade..

‘Detour Up’ pode ser sobre um colapso que está atrapalhando sua vida…

“Ou mais, quando você tem um pouco dos conceitos de planos mais bem elaborados que, para nosso crédito, tentamos e devemos tentar controlar e mapear tudo. Mas, por experiência pessoal, as coisas que aconteceram em minha vida e que eu nunca poderia ter planejado, criado, controlado ou orquestrado, muitas vezes me levaram aos lugares mais incríveis. Então é definitivamente um pouco alegre. Todo mundo que conheço diz que é uma luta constante contra a ansiedade – como encontrar aquele ponto ideal de controle e responsabilidade e também deixar que algo aconteça com você novamente. É a ideia de ter sua própria experiência e talvez isso te leve a algum lugar que você não esperava.”

Descobrir que o lado positivo da vida está te fazendo tropeçar, então?

“Sim, exatamente. Embora eu ache que é uma coisa complicada não girar tudo. Eu tive problemas com isso na minha banda, porque eu tinha essa resposta automática quando acontecia algo que não era o que queríamos, o que acontecia o tempo todo. Eu instintivamente diria, ‘Mas isso é tão bom porque…’.

“Desde que li aquele livro Positividade Tóxica. É um conceito muito interessante porque vem de um bom lugar. Só estou tentando fazer com que continuemos sempre, não fiquemos presos. Mas em algum momento Jimmy disse: ‘Você tem que deixar algo ruim. Há momentos em que algo está simplesmente ruim’. Portanto, sou cauteloso com isso. Eu acho que é um ponto muito bom. Um exemplo naquele livro é: alguém perde o emprego, é demitido e fica muito chateado, e a primeira coisa que você diz é: ‘Mas você terá muito tempo livre!’. Isso é positividade tóxica. O que você quer dizer é: ‘Isso é uma merda’. É isso que eles precisam ouvir. Não tipo, ‘Oh meu Deus, isso é tão bom para você!’”

Emily Haines e James Shaw do Metric se apresentam no The Forum em Londres, Inglaterra.  (Foto de Lorne Thomson/Redferns)
Emily Haines e James Shaw do Metric se apresentam no The Forum em Londres, Inglaterra. (Foto de Lorne Thomson/Redferns)

‘Just The Once’ poderia ser uma música viciante…

“Sim, mas pode ser alguém com um pote de biscoitos. Sendo um letrista, gosto das frases, da diferença entre ‘só de vez em quando’ e ‘de vez em quando’. Enorme diferença.”

O que você começou a fazer ‘de vez em quando’?

“Passar. Eu chamo isso de disco do arrependimento, que acho que poderia ser um gênero próprio. Mas eu gosto da redenção no último verso, tipo, ‘olhe para mim, estou livre. Você sobreviverá. Tudo bem’.”

‘Descendentes’ parece preocupar-se com a mentalidade do namoro moderno?

“Se esta fosse uma entrevista pessoal, provavelmente seria aqui que eu concordaria.”

O que vem por aí para o Métrica?

“Vamos encerrar isso com Paris e Berlim, mas faltam apenas algumas semanas para chegarmos à América Latina, o que nos levará ao final do ano. Fizemos uma grande retrospectiva de ‘Old World…’ e sentimos esse período de 20 anos do que fizemos e finalmente ter ‘Formentera’ em toda a sua glória de 18 músicas no mundo, acho que vou dar uma respirar um pouco e ver o que quero fazer a seguir.”

‘Formentera II’ da Metric já foi lançado.



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email