A escola de samba Mocidade Alegre é a campeã do Carnaval 2024. A agremiação do bairro do Limão, na zona norte de São Paulo, comemora o bicampeonato e o 12º título da sua história.

Em segundo lugar, ficou a Dragões da Real com os mesmos 270 pontos da Mocidade, mas perdendo nos critérios de desempate. Isso mostra como a disputa foi acirrada desde o início da apuração. Em terceiro ficou a Acadêmicos do Tatuapé, com 269,8 pontos.

Continua após a publicidade..

As escolas Independente Tricolor e Tom Maior ficaram em penúltimo e último lugares, ambas com 268,7 pontos, e vão para o Grupo de Acesso no próximo ano.

Na quadra da Mocidade, milhares de componentes se reuniram para festejar. A chegada do troféu de campeão, trazido pela presidente Solange Cruz Bichara, foi emocionante. “A arte também mora no Limão”, frase puxada pela escola em todos os desfiles, era gritada por todos enquanto o objeto dourado fazia sua procissão ao palco do barracão.

“Muitas escolas boas, ali no páreo. As escolas de São Paulo evoluíram de tal maneira que não dava para saber quem iria ganhar. A gente fica na expectativa. Eu não desejo mal a ninguém e quem deseja o bem recebe o bem, graças a Deus. Muita gente dizia, mas nada de contar vitória antes. Não é nosso perfil, a gente prefere orar, rezar, acreditar que vai dar certo e acreditar no nosso trabalho”, afirmou Bichara após a vitória.


Festa do 12º título da Mocidade


Ela repetiu várias vezes que a escola é sempre campeã em ano terminado com 4. Foi assim em 2004, quando a atual diretoria assumiu e São Paulo fez 450 anos, em 2014, quando São Paulo fez 460 anos e em 2024.

Em relação ao seu ritual de sempre ir à apuração com muitos terços em volta do pescoço, ela revela que nem sabe quantos têm. “Muitos terços e esse medalhão que o fundador da escola me deu. Ele me chamava de leoa do samba e sempre dizia: ‘Carrega no desfile e leva na apuração”. E está aqui. Não sei quantos terços tenho. Tenho uma caixa. Conforme vai quebrando, a gente vai trocando e deixando para trás”, conta a presidente.

A vitória coloca a Morada do Samba como a segunda maior campeã de São Paulo. Vai-Vai, com 15, é a líder.

“Esse é o motivo de muito orgulho, de muita dedicação, de muito trabalho, o empenho de cada um da nossa comunidade, da nossa diretoria, de todos os departamentos da escola. Acho que esse título só vem para coroar que a gente tá no caminho certo, que a gente tá fazendo o nosso melhor sempre”, festejou o diretor de Carnaval Ricardo Sonzin. “Um bicampeonato, né? Como faz pra peteca não cair? Trabalho. Trabalho, dia a dia, noite a noite, muita dedicação, muita gente envolvida, é muito trabalho, não tem outra palavra. Bora comemorar!”

Continua após a publicidade..

Aline Oliveira, rainha de bateria da Mocidade, deu um show de carisma durante a comemoração do 12º título da escola. Ela beijou cada um dos torcedores que cruzaram seu caminho no barracão durante a noite desta terça-feira e exibiu todo seu molejo sambando em várias oportunidades. “É mágico. Um dos melhores momentos da minha vida. Eu sou sortuda de estar aqui”, disse à Folha.

O prefeito Ricardo Nunes (MDB), que foi vaiado na primeira noite de desfiles no Sambódromo do Anhembi, não apareceu na cerimônia de premiação do Carnaval, nesta terça. O troféu da campeã Mocidade Alegre foi entregue pelo presidente da Câmara Municipal, Milton Leite (União Brasil).

A narradora do evento anunciou que Leite iria substituir Nunes. Segundo apurou a reportagem, já havia sido decidido que o prefeito não faria a entrega, pois a cerimônia de premiação não constava na sua agenda.

Após terminar em quinto no Carnaval de 2023, a Dragões da Real ficou com o vice-campeonato mesmo empatando em pontos com a campeão. Esse fato foi motivo de comemoração na escola.

“O título ficou em boas mãos, empatamos de ponto a ponto. Só que quando voltam todas as notas, aí no descarte, acabamos não levando esse título. Mas a comunidade está muito feliz, o trabalho foi muito bem feito, e agora é comemorar. Vem um trabalho muito mais forte ano que vem. Isso posso garantir”, comentou Rogério Felix, diretor de harmonia da escola.

Continua após a publicidade..

A Mocidade Alegre foi a décima escola a desfilar no Sambódromo do Anhembi, na madrugada de sábado (10), com samba-enredo que homenageou o escritor Mário de Andrade. O escritor foi interpretado pelo ator Pascoal da Conceição na comissão de frente, que saiu de um trem para sambar na avenida. O enredo mostrou as viagens do modernista pelo interior o país.

O abre-alas trouxe uma réplica do viaduto do Chá, no centro de São Paulo, além de engrenagens para mostrar que a cidade berço do modernismo não para.

Já a ala das baianas da Morada do Samba impressionou com fantasias que simulavam pedra-sabão, homenageando as obras de Aleijadinho.

A bateria do mestre Sombra, chamada de Ritmo Puro, veio com pitadas de frevo e maracatu e foi impecável ao sair do recuo puxados pela rainha Aline Oliveira. O mestre, por sinal, é casado com a presidente da escola.

Estrela do Terceiro Milênio volta à Elite

A Estrela do Terceiro Milênio, escola de samba do Grajaú, na zona sul paulistana, voltou ao grupo de elite do Carnaval paulistano. Rebaixada no ano passado no Grupo Especial, a agremiação foi campeã do Grupo de Acesso, segundo apuração encerrada na noite desta terça-feira (13) no Sambódromo do Anhembi.

A Estrela do Terceiro Milênio somou 269,9 pontos. A Colorado do Brás, segunda colocada com 269,5 pontos, também vai disputar o Grupo Especial em 2025. Já Torcida Jovem e Pérola Negra, as duas últimas colocadas, foram rebaixadas para o segundo grupo de acesso.


As campeãs de cada ano, desde 1965

2024 Mocidade Alegre

2023 Mocidade Alegre

2022 Mancha Verde

2021 Desfiles cancelados devido à pandemia de Covid-19

2020 Águia de Ouro

2019 Mancha Verde

2018 Acadêmicos do Tatuapé

2017 Acadêmicos do Tatuapé

2016 Império de Casa Verde

2015 Vai-Vai

2014 Mocidade Alegre

2013 Mocidade Alegre

2012 Mocidade Alegre

2011 Vai-Vai

2010 Rosas de Ouro

2009 Mocidade Alegre

2008 Vai-Vai

2007 Mocidade Alegre

2006 Império de Casa Verde

2005 Império de Casa Verde

2004 Mocidade Alegre

2003 Gaviões da Fiel

2002 Gaviões da Fiel

2001 Vai-Vai e Nenê de Vila Matilde

2000 Vai-Vai e X-9 Paulistana

1999 Gaviões da Fiel e Vai-Vai

1998 Vai-Vai

1997 X-9 Paulistana

1996 Vai-Vai

1995 Gaviões da Fiel

1994 Rosas de Ouro

1993 Camisa Verde e Branco e Vai-Vai

1992 Rosas de Ouro

1991 Camisa Verde e Branco e Rosas de Ouro

1990 Camisa Verde e Branco e Rosas de Ouro

1989 Camisa Verde e Branco

1988 Vai-Vai

1987 Vai-Vai

1986 Vai-Vai

1985 Nenê de Vila Matilde

1984 Rosas de Ouro

1983 Rosas de Ouro

1982 Vai-Vai

1981 Vai-Vai

1980 Mocidade Alegre

1979 Camisa Verde e Branco

1978 Vai-Vai

1977 Camisa Verde e Branco

1976 Camisa Verde e Branco

1975 Camisa Verde e Branco

1974 Camisa Verde e Branco

1973 Mocidade Alegre

1972 Mocidade Alegre

1971 Mocidade Alegre

1970 Nenê de Vila Matilde

1969 Nenê de Vila Matilde

1968 Nenê de Vila Matilde

1967 Unidos do Peruche

1966 Unidos do Peruche

1965 Nenê de Vila Matilde e Unidos do Peruche

Share.