O Morgan Stanley foi mais um banco a revisar as suas projeções para o setor de consumo e varejo para 2024 na América Latina. O banco vê uma perspectiva mista para o setor, enquanto espera aceleração do crescimento do e-commerce na região.

A visão é de melhora do comércio eletrônico, mas os analistas do banco cortaram a recomendação para as ações do Magazine Luiza (MGLU3) de equalweight (exposição em linha com a média do mercado) para underweight (exposição abaixo da média do mercado), com o preço-alvo sendo cortado de R$ 2,75 para R$ 2, ou baixa de 12% frente o fechamento da véspera.

Enquanto isso, a recomendação underweight foi mantida para Casas Bahia (BHIA3), com o preço-alvo foi cortado de R$ 11,40 para R$ 10 (queda de 1,1%). A preferência no segmento é pelas ações negociadas na Nasdaq do Mercado Livre (BDR: MELI34).

Masterclass Gratuita

O Ano da Virada

Descubra onde estarão as melhores oportunidades para multiplicar o seu patrimônio e ganhar uma renda extra em 2024

“Nós vemos tendências divergentes que continuam entre as operadoras de comércio eletrônico da América Latina”, avaliam. Enquanto Mercado Livre emergiu como o maior ganhador incremental de participação com o enfraquecimento da Americanas (AMER3), a equipe de análise vê a liderança em escala de mercado apoiando a monetização contínua da taxa de juros e a expansão das margens.

Já para Magalu e Casas Bahia, os analistas esperam que a pressão de lucros persista, em meio a uma ainda lenta recuperação do setor eletrônico e tração em categorias mais recentes que as varejistas apostam. Para Méliuz (CASH3), com recomendação equalweight, a visibilidade em torno das principais operações de reembolso permanece baixo, enquanto para Americanas (AMER3) os analistas permanecem sem recomendação em meio ao processo de recuperação judicial em curso.

Para o segmento de vestuário, os analistas possuem recomendação equalweight para Lojas Renner (LREN3) e underweight para C&A (CEAB3), esta última destaque do setor de varejo em 2023.

Continua depois da publicidade

“Continuamos cautelosos quanto ao potencial de investimentos em digitalização e a pressão competitiva sobre preços pesará nas margens do vestuário brasileiro, embora a intenção da pesquisa sobre vestuário online tenha sido favorável e acreditamos que a categoria poderiam beneficiar da melhoria das tendências de consumo”, avaliam os analistas.

Leia também:

O banco vê a relação risco-recompensa equilibrada para Renner, com desconto dos múltiplos de negociação em relação ao histórico, mas limitado catalisador de alta. Para C&A, execução nas vendas/margem a recuperação superou as expectativas nos últimos trimestres, mas isso parece excessivamente refletido nas ações após a valorização do preço das ações em 2023.

Já em varejo alimentar, apesar da pressão do atacarejo em 2023, o Morgan mantém a visão estrutural otimista sobre o segmento e esperam que os ventos contrários táticos se revertam.

Com a passagem do pico de deflação alimentar, aumento de vendas/margens de lojas convertidas e alívio de despesas financeiras em meio a taxas de juros mais baixas, os analistas estão com recomendação overweight em Assaí (ASAI3) e Carrefour Brasil (CRFB3). Já para GPA (PCAR3), a recomendação segue equalweight, destacando os esforços para simplificação da estrutura, mas com um fluxo de receita líquida pressionado.

Confira as recomendações do Morgan Stanley para o setor de varejo:

Fonte: InfoMoney

Share.