“O Green Day passa de uma fúria contra a máquina para uma fúria moderada por ela”, disse recentemente o bilionário Elon Musk quando os ícones do pop-punk alteraram a letra de “American Idiot” para atacar a brigada MAGA. Isso mostra que você não pode comprar o bom senso, não é? Seja andando por East Bay no início dos anos 90 com hinos para a geração abandonada, ou usando explicitamente sua política na manga para o mencionado discurso sobre o estado da nação, sempre ficou bem claro de que lado da história o Green Day está sobre. Mesmo assim, reúna todos os Karens e pinte-os de vermelho, branco e chocado.

Continua após a publicidade..

Mas onde estamos agora? Embora o antecessor da banda em 2020, ‘Father Of All Motherfuckers’, tenha sido uma explosão forte de pop-punk jukebox jovem e idiota – pulando a política e a óbvia crítica a Trump por uma explosão intravenosa de mijo, vinagre, rock’n ‘roll – o 14º álbum do trio, ‘Saviors’, parece mais considerado. Estávamos atrasados ​​​​com um recorde de declarações do trio no ano eleitoral, e ‘Salvadores’ dá uma boa chance.

Sua bandeira está firmemente plantada na abertura ‘The American Dream Is Killing Me’, onde Billie Joe Armstrong pinta uma terra dividida entre Black Lives Matter e a cerca branca: “Meu país sitiado, em propriedade privada”. Esse espírito permeia o disco, principalmente na faixa-título, pedindo um alerta para “faça de todos nós crentes”.

Continua após a publicidade..

O chiclete ‘Strange Days Are Here To Stay’ aponta apropriadamente 2016 como o ano em que tudo foi uma merda com Trump, Brexit e as guerras culturais enquanto Armstrong afirma que “Desde que Bowie morreu, não tem sido mais o mesmo”; agora, ele aponta para a crise dos opiáceos, o racismo descarado e uma divisão entre gerações como o que está latente na bandeja de entrada da América. ‘Living In The 20s’, com um toque hardcore, pinta uma era desesperada e violenta onde “Eu bebo minha mídia e a transformo em vômito”, enquanto se aproxima de ‘Fancy Sauce’ descreve o ridículo noticiário noturno como “desenho animado favorito” onde “todo mundo é vítima e isso me dá vontade de vomitar”.

Claro, o disco também é uma boa brincadeira. O puro abandono punk de ‘Look Ma, No Brains’ poderia sem dúvida caber em qualquer álbum do Green Day, ‘Bobby Sox’ é uma divertida ode ao amor adolescente, ‘Corvette Summer’ canaliza o hedonismo rock’n’roll do AC/DC e do Thin Lizzy , e ‘1981’ parece o irmãozinho arrogante de ‘Church On Sunday’ ou ‘Castaway’ de ‘Warning’, perdendo-o para os Ramones em uma festa em casa.

Continua após a publicidade..

A trégua vem nos momentos mais emocionantes, como a desamparada ‘Goodnight Adelaine’ (que tem mais do que um toque de ‘When I Come Around’), o passeio endividado por Elvis Costello de ‘Suzie Chapstick’ e o mini-épico orquestral ‘Father Para um filho’. Com a promessa paternal de Amstrong de que “Cometi alguns erros, mas nunca partirei seu coração”, isso será arquivado junto com ‘Wake Me Up When September Ends’ no cânone de lágrimas de isqueiros do Green Day, embora com muito mais sabedoria e grandeza de estádio do tipo Beatles e Queen.

Há também algum acaso na banda pegando a estrada para comemorar os 30 anos de ‘Dookie’ e os 20 anos de ‘American Idiot’ ainda neste verão. ‘Saviors’ não apenas preenche espiritualmente a lacuna entre os dois, mas também usa a paleta do melhor da banda para nos dizer algo mais. Veja a arte: ‘Dookie’ foi um atrevido bombardeio de merda, ‘American Idiot’ foi uma granada de mão, ‘Saviors’ é um ato de desafio recebido com um encolher de ombros; uma banda dizendo: “Ainda estamos aqui e ainda estamos fodidos”.

Detalhes

  • Data de lançamento: 19 de janeiro de 2024
  • Gravadora: Reprise



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email