O lançamento de Persona 3 Reload está próximo, e o jogo promete entregar muitas horas de diversão e reflexão para quem quiser se aventurar por ele — exatamente o que eu estava esperando!

Depois do sucesso de Persona 5 e Persona 5 Royal, a Atlus investe em uma nova versão para o título que deu à franquia a cara que tem hoje. O terceiro jogo, originalmente lançado em 2006 para PlayStation 2 no Japão, teve uma versão expandida em 2007 (Persona 3 FES) e uma outra versão para o PSP, em 2009.

Continua após a publicidade..

Ter versões diversas do mesmo jogo pode apontar várias coisas, mas, no caso de Persona 3, a única coisa que indica é a popularidade do game. Com isso em mente, fomos convidados a testar uma hora do novo jogo em Nova York, em um evento fechado para a imprensa, e tivemos a oportunidade de conversar com o produtor Ryota Niitsuma, e o diretor do jogo, Takuya Yamaguchi.

Recarregando

Persona 3 Reload não é uma remasterização, e sim um remake completo do original. Após tantas versões, construir mais uma foi ao mesmo tempo desafiador e estimulante, segundo os desenvolvedores.

Durante nossa entrevista, o diretor Yamaguchi explicou que o aspecto mais trabalhoso de adaptar foi o Tartarus, que é onde os combates acontecem. Separados por andares, os jogadores entram nesta versão distorcida da escola para enfrentar as sombras, ou seja, os monstros que atacam durante a Dark Hour.

Sabíamos desde o começo que esta seria nossa maior prioridade, e demos o nosso melhor para aprimorar o Tartarus. Direcionamos muitos esforços para deixá-lo mais divertido, mas não podíamos fazer mudanças drásticas por ser um lugar tão ligado à história.

É importante montar uma equipe forte para explorar o Tartarus (Reprodução/Atlus)

Por outro lado, um aspecto que foi bem mais tranquilo de adaptar foi a trama. Com personagens tão icônicos e um enredo tão aclamado, foi menos árduo ampliar os Social Links e desenrolar os acontecimentos principais da história mais uma vez.

Embora tenha ficado muito feliz com tudo o que foi mantido do jogo original, como a trilha sonora, fiquei muito empolgada ao ver as novidades, e entre elas está o visual do game. É algo que, apesar de ser um aprimoramento óbvio para trazer Persona 3 para a geração atual de consoles e hardware num geral, foi muito bem feito.

Tanto as locações em si quanto o mapa e os personagens receberam uma melhoria visual, deixando os gráficos do título a par com o que vimos na entrada mais recente da franquia, Persona 5 Royal.

Tivemos que fazer modelos mais altos para combinar com as artes, assim como foi no Persona 5”, contou Yamaguchi, rindo. As artes promocionais dessa versão do game mostram os personagens mais esguios do que no passado.

Continua após a publicidade..

Quanto às locações, é prazeroso passear pelos lugares, subindo e descendo escadas para visitar lojinhas e restaurantes, além de ver o metrô se movendo rapidamente ao acessar o mapa e escolher um novo destino. É um banquete para os olhos, ainda mais para aqueles que têm memórias das outras versões do P3.

Tantos detalhes, tantos Jack Frosts (Reprodução/Atlus)

Interface do usuário

Embora seja um elemento vital para RPGs japoneses e tantos outros gêneros de jogo, os menus e a interface para os usuários não costumam estar sob os holofotes. Mas na franquia Persona, a UI é levada muito a sério.

O jogador de Persona vai passar bastante tempo nos menus do jogo, e a interface de usuário dinâmica e estilizada faz com que essa experiência seja bastante memorável. O diretor expressou sua paixão pelo design:

A interface de usuário é algo em que as pessoas prestam muito atenção na franquia Persona, e tentamos aprimorar nossa UI em todos os jogos que fazemos. A UI de Persona 5 foi muito elogiada e se tornou um padrão alto.

Quando estávamos trabalhando no Persona 3 Reload, tentamos ao máximo exceder o que fizemos anteriormente, e continuar aumentando o padrão. Gastamos muito tempo trabalhando nisso, e acho que conseguimos atingir as expectativas.

Esse é o menu para usar uma das habilidades mais fortes do jogo (Reprodução/Atlus)

Mas ele também deixou bem claro que esse não é um trabalho nada fácil:

Quando se está pensando em UI, não dá pra pensar só no design. Design não é tudo, a interface precisa ser utilizável. Se for bonita, mas difícil de usar, então não está cumprindo seu propósito. Dedicamos muito tempo para balancear a usabilidade e o design, tentando deixar tudo no mais alto nível.

O produtor Ryota Niitsuma contou que a empresa presta tanta atenção nesse aspecto do jogo, e que a equipe cria até mesmo modelos novos para usar nas telas e menus.

Continua após a publicidade..

É algo que fazemos para tornar a interface ainda mais marcante e é algo que você não vê outros estúdios fazendo, então o fato de que damos tanta atenção para isso é o que faz com que a UI seja tão bem recebida e boa”, afirmou o produtor, complementando a resposta.

Todo esse esforço realmente transparece no trecho que joguei, que sinceramente me deixou de queixo caído pela simplicidade, estilo e elegância. E também por usar um tambor de revólver como parte do menu para comprar armas e armaduras.

Boas-vindas ao Brasil

Pela primeira vez, um game de Persona terá texto traduzido para o português brasileiro (Reprodução/Atlus)

Persona 3 Reload é o primeiro título da franquia a chegar ao Brasil com legendas e textos localizados e, mesmo assim, a quantidade de fãs que o país tem impressionou o produtor Niitsuma, que esteve no Brasil para a Brasil Game Show de 2023.

Antes de ir na BGS, eu não tinha noção que, do outro lado do mundo, haviam tantos fãs e pessoas que amam nossos jogos. Então fiquei muito surpreso, mas também muito feliz”, afirmou.

Ele completou, dizendo que o público brasileiro o motivou a trabalhar mais ainda na nova versão:

Ver isso fez com que eu lembrasse que Persona é uma série global amada por pessoas do mundo todo, e por isso precisamos fazer um jogo que pessoas do mundo todo possam aproveitar.

Persona 3 Reload promete ser uma experiência única, mesmo para quem já zerou as outras versões do jogo do começo ao fim, com trama extremamente envolvente e emocional, personagens marcantes e um visual de cair o queixo.

O game chega ao mercado brasileiro em 2 de fevereiro, para PlayStation 5, PlayStation 4, Xbox Series X|S, Xbox OnePC. O catálogo do Game Pass recebe o jogo direto no lançamento.

Share.