Brian Molko com o Placebo em São Paulo
foto por Stéphanie Hahne/TMDQA!

Depois de 10 anos, os fãs brasileiros de Placebo tiveram a oportunidade de reencontrar a banda de Brian Molko e Stefan Olsdal em um show que aconteceu neste domingo (17) no Espaço Unimed, em São Paulo.

Continua após a publicidade..

De 2014 pra cá, muita coisa mudou. No cenários dos shows, um dos principais sintomas do mundo moderno é o crescente uso de celulares na plateia — cada vez mais, é comum vermos um mar de aparelhos levantados durante boa parte das apresentações, gerando um debate (necessário e válido) sobre a necessidade de registrar absolutamente qualquer momento de um show.

Nestes 10 anos, o Placebo também mudou. Brian e Stefan continuam como a alma da banda, é claro, mas o grupo finalmente lançou o sucessor de Alto como amor (2013) em 2022: o ótimo Nunca me deixe irque trouxe consigo algumas canções rapidamente integradas à seleção de melhores da banda, como “Beautiful James” e “Surrounded by Spies”.

Não fosse por este lançamento, entretanto, a noite deste domingo em São Paulo poderia ter parecido um verdadeiro túnel do tempo. Isso porque, logo antes do início de sua apresentação única no Brasil, o Placebo exibiu um comunicado no telão que “pedia gentilmente” para que os fãs não “filmassem o show inteiro através de seus celulares”.

Continua após a foto

Na prática, a coisa foi um pouco diferente. O “pedido gentil”, na verdade, era mais uma obrigação: funcionários estavam posicionados na grade e usavam lanternas para reportar e sinalizar as pessoas que estivessem usando seus aparelhos para filmar (ou fotografar) o show, enquanto o próprio Brian Molko foi flagrado mostrando o dedo do meio para algumas pessoas que estavam registrando momentos do show com seus celulares.

Continua após a foto

Placebo no Brasil: (quase) sem celulares e sem hits

Pedidos e/ou proibições à parte, o fato é que o Placebo conseguiu o que queria: em sua vasta maioria, o público, mais em respeito ao pedido da banda do que como resultado da ação de quem fiscalizava, manteve os celulares guardados durante a maior parte do show. O que talvez tenha ajudado para isso, no entanto, é o fato do grupo ter trazido um repertório que deixou os hits em segundo plano.

Continua após a publicidade..

Quem foi ao show para ouvir clássicos como “Every You Every Me” e “Pure Morning” saiu decepcionado. Aliás, os fãs mais antigos que não se atualizaram ouvindo Nunca me deixe ir passaram boa parte do show sem saber muito bem o que estava acontecendo — no total, foram 10 faixas do trabalho mais recente, e o segundo mais tocado foi o antecessor Alto como amorcom apenas 3 canções.

Como dito acima, o novo álbum tem, sim, ótimas faixas. A abertura com a dobradinha “Forever Chemicals” e “Beautiful James” foi um dos pontos altos do show, e mostrou que a ideia dos celulares guardados funcionou muito bem; era difícil ver alguém que não estivesse com os braços para o alto e curtindo a (ótima, diga-se de passagem) performance do grupo.

Lá pela metade do show, no entanto, o excesso de canções de Nunca me deixe ir pareceu entediar parte do público. Também não era incomum ver fãs na internet comentando que deixaram de ir à apresentação justamente após olhar o setlist e perceber que suas músicas preferidas não seriam tocadas, mas o que não dá para dizer é que o Placebo perdeu o público.

Continua após a publicidade..

Quando isso começou a acontecer, a banda engatou a reta final do show, que finalmente traz alguns dos sucessos do passado. Ainda que tenham faltado muitas no repertório, clássicos como “Song to Say Goodbye” e “The Bitter End” marcaram presença para delírio do público — que finalmente pareceu perder a batalha contra os celulares, levantados em grande número nestes momentos.

Ainda assim, o “experimento” do Placebo foi válido e ajudou a construir uma ambientação que funcionou quase como um túnel do tempo. Há muito espaço para discutir a abordagem da banda com relação a isso, especialmente pelo fato de transformar um pedido em uma (quase) proibição, mas é indiscutível que a atmosfera criada foi bastante diferente do que estamos acostumados a ver hoje em dia.

Logo abaixo, você pode ver fotos do show, incluindo da plateia sem celulares, e também o setlist completo tocado pelo Placebo em São Paulo.

Placebo em São Paulo – setlist e fotos

Lista de músicas:

1. Produtos químicos para sempre
2. Lindo Tiago
3. Cena do Crime
4. Abraço
5. Feliz Aniversário no Céu
6. Biônico
7. Demônios Gêmeos
8. Cercado por espiões
9. Almas gêmeas
10. Reggae Branco Triste
11. Tente melhor da próxima vez
12. Muitos amigos
13. Desapareceu
14. Feridas de saída
15. Pelo que vale a pena
16. Escravo do salário
17. Canção para dizer adeus
18. O amargo fim
19. Infravermelho
Bis:
20. Gosto em Homens
21. Conserte-se
22. Running Up That Hill (A Deal with God) (capa de Kate Bush)

OUÇA AGORA MESMO A PLAYLIST TMDQA! ALTERNATIVO

Clássicos, lançamentos, Indie, Punk, Metal e muito mais: ouça agora mesmo a Playlist TMDQA! Alternativo e siga o TMDQA! no Spotify!



Share.