ad

Os rebeldes Houthis do Iêmen, apoiados pelo Irã, estão intensificando os seus ataques a navios no Mar Vermelho, que dizem ser uma vingança contra Israel pela sua campanha militar em Gaza.

Os ataques forçaram algumas das maiores companhias marítimas e petrolíferas do mundo a suspender o trânsito através de uma das rotas comerciais marítimas mais importantes do mundo, o que poderia potencialmente causar um choque na economia global.

Continua após a publicidade..
ad

Acredita-se que os Houthis tenham sido armados e treinados pelo Irã, e há receios de que os seus ataques possam transformar a guerra de Israel contra o Hamas em um conflito regional mais amplo.

Veja o que sabemos sobre os Houthis e por que eles estão se envolvendo na guerra.

Quem são os Houthis?

O movimento Houthi, também conhecido como Ansarallah (Apoiadores de Deus), é um dos lados da guerra civil iemenita que já dura quase uma década. Surgiu na década de 1990, quando o seu líder, Hussein al-Houthi, lançou o “Juventude que Acredita”, um movimento de renascimento religioso para uma subseita secular do islã xiita chamada Zaidismo.

Os Zaidis governaram o Iêmen durante séculos, mas foram marginalizados sob o regime sunita que chegou ao poder após a guerra civil de 1962. O movimento de Al-Houthi foi fundado para representar os Zaidis e resistir ao sunismo radical, particularmente às ideias Wahhabi da Arábia Saudita. Seus seguidores mais próximos ficaram conhecidos como Houthis.

Como eles ganharam poder?

Ali Abdullah Saleh, o primeiro presidente do Iêmen após a unificação do Iêmen do Norte e do Sul em 1990, inicialmente apoiou o “Juventude que Acredita”. Mas à medida que a popularidade do movimento cresceu e a retórica antigovernamental se aguçou, tornou-se uma ameaça para Saleh. As coisas chegaram ao auge em 2003, quando Saleh apoiou a invasão do Iraque pelos Estados Unidos, à qual muitos iemenitas se opuseram.

Para al-Houthi, a ruptura foi uma oportunidade. Aproveitando a indignação pública, ele organizou manifestações em massa. Após meses de desordem, Saleh emitiu um mandado para a prisão dele.

Al-Houthi foi morto em setembro de 2004 pelas forças iemenitas, mas o seu movimento sobreviveu. A ala militar Houthi cresceu à medida que mais combatentes se juntaram à causa. Encorajados pelos primeiros protestos da Primavera Árabe em 2011, assumiram o controle da província de Saada, no norte, e apelaram ao fim do regime de Saleh.

Ataque aéreo contra rebeldes houthis na cidade de Sana
Ataque aéreo contra rebeldes houthis na cidade de Sanaa / Foto: Reprodução – 30.mar.2020/ Reuters

Os Houthis controlam o Iêmen?

Saleh concordou em 2011 em entregar o poder ao seu vice-presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi, mas esse governo não era mais popular. Os Houthis atacaram novamente em 2014, assumindo o controle de partes de Sanaa, capital do Iêmen, antes de finalmente invadirem o palácio presidencial no início do ano seguinte.

Hadi fugiu para a Arábia Saudita, que lançou uma guerra contra os Houthis a seu pedido em março de 2015. O que se esperava que fosse uma campanha rápida durou anos: um cessar-fogo foi finalmente assinado em 2022. Expirou seis meses depois, mas as partes em guerra não voltaram ao conflito em grande escala.

As Nações Unidas afirmaram que a guerra no Iêmen se transformou na pior crise humanitária do mundo. Quase um quarto de milhão de pessoas foram mortas durante o conflito, segundo estatísticas da ONU.

Desde o cessar-fogo, os Houthis consolidaram o seu controle sobre a maior parte do norte do Iêmen. Eles também procuraram um acordo com os sauditas que poria fim permanente à guerra e consolidaria o seu papel como governantes do país.

Quem são seus aliados?

Os Houthis são apoiados pelo Irã, que começou a aumentar a sua ajuda ao grupo em 2014, à medida que a guerra civil escalava e a sua rivalidade com a Arábia Saudita se intensificava. O Irã forneceu ao grupo armas e tecnologia para, entre outras coisas, minas marítimas, mísseis balísticos e de cruzeiro e veículos aéreos não tripulados (UAVs ou drones), de acordo com um relatório de 2021 do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

Combatentes recém-recrutados que se juntaram a uma força militar houthi destinada a ser enviada para lutar em apoio aos palestinos na Faixa de Gaza / 02/12/2023 REUTERS/Khaled Abdullah

Os Houthis fazem parte do chamado “Eixo da Resistência” do Irã – uma aliança contra Israel e o Ocidente liderada pelo Irã de milícias regionais apoiadas pela República Islâmica. Juntamente com o Hamas, em Gaza, e o Hezbollah, no Líbano, os Houthis são uma das três milícias proeminentes apoiadas pelo Irã que lançaram ataques contra Israel nas últimas semanas.

Continua após a publicidade..
ad

Quão poderosos são os Houthis?

As autoridades americanas têm monitorado melhorias no alcance, precisão e letalidade dos mísseis Houthis produzidos internamente. Inicialmente, as armas Houthi caseiras foram em grande parte montadas com componentes iranianos contrabandeados em pedaços para o Iêmen, disse anteriormente à CNN um funcionário familiarizado com a inteligência dos EUA.

Mas eles fizeram modificações progressivas que resultaram em grandes melhorias gerais, disse o funcionário. Em um novo desenvolvimento, os Houthis usaram mísseis balísticos de médio alcance contra Israel, disparando uma salva de projéteis contra a região sul de Eilat, no sul de Israel, no início de dezembro, que Israel disse ter interceptado.

Embora os Houthis possam não ser capazes de representar uma ameaça séria para Israel, a sua tecnologia pode causar estragos no Mar Vermelho. Eles usaram drones e mísseis antinavios para atingir navios comerciais – alguns dos quais não se acredita estarem ligados a Israel – o que levou o USS Carney, um navio de guerra no Mar Vermelho, a responder aos pedidos de socorro.

Por que os Houthis estão atacando navios no Mar Vermelho?

Embora, através de uma combinação de geografia e tecnologia, os Houthis possam não ter as capacidades do Hamas e do Hezbollah, os seus ataques a navios comerciais no Mar Vermelho podem infligir um tipo diferente de dor a Israel e aos seus aliados.

A economia global tem recebido uma série de dolorosos lembretes da importância dessa estreita faixa de mar, que vai do estreito de Bab-el-Mandeb, na costa do Iêmen, até ao Canal de Suez, no norte do Egipto – e através do qual fluem 12% do comércio global, incluindo 30% do tráfego global de contêineres.

O navio de carga Galaxy Leader é escoltado por barcos Houthi no Mar Vermelho em foto divulgada em novembro 20/11/2023
O navio de carga Galaxy Leader é escoltado por barcos Houthi no Mar Vermelho em foto divulgada em novembro 20/11/2023 / Mídia Militar Houthi/Divulgação via REUTERS

Em 2021, um navio chamado Ever Given encalhou no Canal de Suez, bloqueando a artéria comercial vital durante quase uma semana – retendo até US$ 10 bilhões em carga por dia – e causando perturbações nas cadeias de abastecimento globais que duraram muito mais tempo.

Há receios de que os ataques de drones e mísseis Houthi contra navios comerciais, que têm ocorrido quase diariamente desde 9 de dezembro, possam causar um choque ainda maior na economia mundial.

Quatro das cinco maiores empresas de transporte marítimo do mundo – Maersk, Hapag-Lloyd, CMA CGM Group e Evergreen – juntamente com gigantes petrolíferos como a BP interromperam o transporte marítimo através do Mar Vermelho devido ao receio de ataques Houthi – medidas que provocaram o aumento dos preços do petróleo e do gás.

Continua após a publicidade..

Os ataques poderão forçar os navios a percorrer uma rota muito mais longa em torno da África e fazer disparar os custos dos seguros. As empresas poderiam transferir o aumento do custo de transporte dos seus produtos para os consumidores, aumentando novamente os preços em um momento em que os governos de todo o mundo têm lutado para controlar a inflação pós-pandemia.

Os ataques Houthi poderiam ter como objetivo infligir dor econômica aos aliados de Israel, na esperança de que estes o pressionem a cessar o bombardeamento do enclave.

Defender a causa palestina também pode ser uma tentativa de ganhar legitimidade a nível interno e na região, à medida que procuram controlar o norte do Iêmen. Poderia também dar a eles uma vantagem contra os seus adversários árabes, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, que acusam de serem lacaios dos EUA e de Israel.

Imagem capturada de um vídeo mostra a tomada do Galaxy Leader Cargo pelos combatentes Houthi do Iêmen na costa do Mar Vermelho, perto de Hudaydah, em novembro
Imagem congelada de um vídeo mostra a tomada do Galaxy Leader Cargo pelos combatentes Houthi do Iêmen na costa do Mar Vermelho, perto de Hudaydah, em novembro / Houthi Movement

Como o mundo reagiu?

Os EUA e outras nações têm vários navios no Mar Vermelho como parte da Operação Prosperity Guardian, um novo esforço multinacional que consiste em mais de 20 países para salvaguardar o transporte marítimo em uma das vias navegáveis mais críticas do mundo.

Navios de guerra da Marinha dos EUA derrubaram muitos dos projéteis Houthi nas últimas semanas, incluindo uma série de ataques particularmente sustentados na terça-feira (9).

Entretanto, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou uma resolução apelando ao grupo rebelde Houthi do Iêmen para “cessar os seus ataques descarados” no Mar Vermelho, enquanto os Estados Unidos e a Grã-Bretanha insinuavam ataques militares. A votação no Conselho de Segurança da ONU foi de 11 votos a favor, 0 contra e quatro abstenções, incluindo Rússia e China.

Mohammed al-Bukhaiti, porta-voz Houthi, disse à Al Jazeera no mês passado que o grupo enfrentaria qualquer coligação liderada pelos EUA no Mar Vermelho, e os ataques desta semana sinalizam que os confrontos na hidrovia continuarão durante o ano.

No momento em que a administração Biden começa a ceder à pressão para pressionar Israel a encerrar a sua campanha em Gaza, os EUA podem se ver atraídos mais profundamente para o Oriente Médio pelos rebeldes desorganizados – mas eficazes – Houthi que se tornaram impossível ignorar.

*Com informações de Katie Bo Lillis e Natasha Bertrand, da CNN.

Share.
ad