AA história de leXa tem sido de determinação pura e imparável. Seja competindo no reality show da Mnet Produzir 48a fazer sua estreia no K-pop em 2019, a representar seu estado natal, Oklahoma, na estreia Concurso de Canção Americana, a cantora de 27 anos nunca parou de se mover. “Como sagitariana, tenho desejo de viajar, o que significa que não posso ficar no mesmo lugar”, diz ela durante uma videochamada com NMEuma semana antes de seu single oficial de estreia nos EUA, ‘sick’.

Continua após a publicidade..

Mesmo antes de seu lançamento, AleXa apresentou o melancólico número pop-rock em alguns dos maiores palcos dos EUA, primeiro na turnê ‘iHeartRadio Jingle Ball’ de 2023 e, mais recentemente, no O programa de Kelly Clarkson. “[It was] absolutamente insano para mim, porque Kelly [Clarkson] é a cabra”, diz ela, com o primeiro encontro da dupla durante o Concurso de Canção Americana em 2022. “Serei eternamente grato por ela ainda ter um lugar para mim e seu coração depois de dois anos, para realmente me convidar de volta para seu show para minha estreia americana. Ela é a hospitalidade sulista.

Para os fãs de longa data, ‘sick’ pode parecer uma reversão de grande parte do material K-pop de AleXa, que eram tipicamente músicas dance-pop feitas para serem executadas com coreografias fortes e poderosas, mas a cantora compartilha que isso foi intencional. “Como esta é minha estreia oficial nos Estados Unidos, queríamos usar um som, uma imagem e uma estética geral que fosse uma espécie de 180º em relação ao que fizemos até agora com AleXa, a artista K-pop”, ela revela, dizendo que ela queria “dar algo novo que meus fãs e potencialmente um novo grupo demográfico ainda não viram”.

‘sick’ também é uma espécie de exceção na discografia de AleXa porque é, como ela diz, “uma das poucas músicas que eu mesma não tive a oportunidade de escrever”, o que a deixa “aberta para interpretação” para os fãs. Pessoalmente, porém, a cantora vê isso como uma história “sobre idealizar tanto alguém” que te deixa doente. “Tipo, talvez a pessoa por quem estou apaixonada tenha esse complexo de deus, e eles se acham tão perfeitos e tudo mais, e ver isso é o que me deixa doente”, acrescenta ela.

Embora AleXa esteja agora voltando seu foco para os EUA, sua experiência como artista K-pop tem sido fundamental para sua identidade, não apenas como musicista, mas como filha de um adotado coreano. “Eu esperava que durante minha jornada na Coreia, se um dia eu visse meu nome e minhas luzes neste país, espero que alguém olhasse para mim [and] olhe para o meu passado porque há vídeos meus com minha mãe publicamente online e diga, ‘Oh meu Deus, essa é nossa filha’”, explica ela. “Eu realmente quero ajudar a encontrar os pais biológicos da minha mãe.” Embora sua jornada ainda não tenha colhido os resultados que ela esperava, a cantora acrescenta alegremente que o DNA e os locais de rastreamento de ancestrais os ajudaram a encontrar um parente distante na Noruega.

Independentemente disso, AleXa compartilha que sua jornada como estrela do K-pop também foi uma oportunidade de se conectar com sua herança como coreana-americana. “Vivendo e respirando ar na Coreia nos últimos seis anos, definitivamente sinto que me aproximei muito da cultura”, diz ela. “Especialmente agora que aprendi a língua, antes de mais nada, porque não tinha conhecimento disso enquanto crescia.” A cantora acrescenta que se surpreendeu usando e pensando expressões coreanas na América em mais de uma ocasião. “Tornei-me mais conectado culturalmente com minhas raízes agora que morei aqui e sou grato por isso.”

“Não me interpretem mal, eu definitivamente queria me tornar um ídolo porque também era fã de K-pop”, ela diz brincando. “Ainda sou fã. Você tem que amar o trabalho que faz. Acho que essa é uma diretriz muito importante para se viver, especialmente se você for do tipo criativo.” À medida que a conversa muda para alguns de seus artistas e inspirações favoritos, sua admiração por artistas poderosos e inovadores – dentro e fora da indústria do K-pop – torna-se aparente.

Continua após a publicidade..

“O primeiro grupo pelo qual realmente me apaixonei foi o SHINee. E então, há muito tempo que admiro Taemin porque ele é um deus quando se trata de dançar”, revela AleXa, recontando uma antiga entrevista onde Taemin do SHINee compartilhou que lhe disseram no início de sua carreira para “ficar dançando” em vez de tentando cantar. “Agora ele é o solista masculino número um. Ele claramente trabalha muito, tem uma ética de trabalho incrível e uma caixa de ferramentas de talentos. Ele é apenas alguém que admiro.”

entrevista doente com alexa
Alexa. Crédito: Etiqueta ZB

Essa ética de trabalho infalível se tornou um padrão que AleXa segue em sua carreira, não importa o quão difícil seja. “Serei transparente. Vida [as a K-pop idol] é exatamente como imaginei que seria. É tão difícil quanto pensei que seria e tão divertido quanto pensei que seria”, diz ela com franqueza. Muitas de suas lutas, diz ela, giraram em torno de lesões, lembrando uma lesão nas costas particularmente dolorosa que sofreu enquanto se preparava para seu primeiro retorno em 2020 – ironicamente para um single intitulado ‘Do or Die’.

Continua após a publicidade..

“Eu só tive que seguir em frente e ter certeza de que faria o meu melhor de qualquer maneira. Isto [wasn’t] tanto que ‘estou magoada, então não posso fazer isso’, mas tem todo um pessoal que reserva tempo para filmar essas coisas, não é como se a gente sempre pudesse atrasar ou adiar as coisas”, revela. “Eu só tive que me recompor e superar tudo isso. Sinto que as lesões para mim foram as mais difíceis porque é muito perturbador quando penso que sei que posso fazer melhor do que isto. Mas porque estou ferido, é como um obstáculo.”

Enfatizando que ela mais do que se recuperou de seus ferimentos anteriores, AleXa está ansiosa para falar sobre sua próxima turnê ‘sick of you’ pelos EUA em 2024, marcada para começar em março deste ano na cidade de Nova York. “Para mim, [touring] é muito refrescante. Apenas ver novos rostos, ouvir novas línguas, experimentar novos sabores e sentir novos cheiros”, diz ela. Esse desejo de viajar, como ela diz, se estende ao seu próprio carisma. “Nunca quero mostrar a mesma coisa duas vezes. Não quero ser conhecido como um pônei de um só truque.”

entrevista doente com alexa
Alexa. Crédito: Etiqueta ZB

Embora AleXa esteja relutante em estragar o que tem reservado, a cantora provoca novas coreografias, covers de músicas e faixas inéditas para seus próximos shows. “Não é tanto tipo, ‘Oh, os fãs querem algo novo’. É mais ou menos minha própria ganância [as a performer] fazer isso sozinha, para ser honesta”, acrescenta ela, embora ainda esteja animada para ver como os fãs reagirão aos covers que ela preparou. “Sinto que a maioria dos meus fãs está na mesma faixa etária. Então eu sinto que a sensação de nostalgia que sinto pelas músicas será compartilhada entre o público.”

Embora a cantora esteja grata por tudo o que conseguiu alcançar até agora, ela está manifestando quatro coisas simples em 2024: saúde, riqueza, sucesso e felicidade. “A vida não é uma questão de dinheiro, mas quero poder viver e comer confortavelmente”, explica ela rindo. “E sucesso para mim não significa ganhar um maldito Grammy ou me tornar a pessoa mais famosa do mundo. Desde que eu esteja feliz fazendo o que faço e que isso tenha um impacto positivo na vida das pessoas, considero isso um sucesso. E felicidade em geral, porque de que adianta viver se você não está feliz?”

Quando questionada sobre o que felicidade significa para ela, AleXa pensa um pouco antes de dizer: “Se eu penso no que é felicidade, é como se eu me pegasse andando pela rua e sorrindo sem motivo. Porque tem que haver uma razão [I’m smiling], e isso é pura felicidade. Então, sorrindo sem saber bem por quê.”

O novo single de AleXa, ‘sick’, já está disponível em todas as principais plataformas de streaming.



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email