Existe uma linha tênue entre humildade e falta de autoconfiança.

A diferença está toda na percepção. A falta de autoconfiança muitas vezes surge nas conversas, mascarada por trás de palavras que expõem sutilmente as próprias inseguranças.

Continua após a publicidade..

A humildade, por outro lado, é a capacidade de reconhecer as próprias deficiências sem comprometer a autoestima.

Como alguém que já passou por isso, posso dizer que certas frases são revelações inoperantes de falta de autoconfiança. E acredite, reconhecer essas frases pode ser o primeiro passo para aumentar a sua autoestima.

Abaixo estão as nove frases que pessoas com baixa confiança costumam usar.

Vamos mergulhar.

1) “Sinto muito, mas…”

A comunicação é uma dança delicada, que exige equilíbrio e delicadeza. E para quem não tem autoconfiança, essa dança muitas vezes começa com um pedido de desculpas desnecessário.

A frase “me desculpe, mas…” é um sinal clássico de baixa autoestima. É um mecanismo de defesa, uma forma de amenizar o golpe antes de expressar uma opinião ou fazer uma declaração.

Pedir desculpas por ter uma opinião ou pensamento reflete o medo do confronto, o medo de não ser aceito ou querido. É como se você estivesse pedindo permissão para se expressar.

Mas o problema é o seguinte: seus pensamentos e opiniões são válidos. Eles têm valor. Você não precisa se desculpar por eles.

Reconhecer isso como um problema é o primeiro passo para superá-lo. Troque “me desculpe, mas…” por “eu acredito…” ou “eu acho…”. Afirme-se sem a capa desnecessária de desculpas.

Você tem tanto direito de falar e ser ouvido quanto qualquer outra pessoa na conversa.

2) “Eu acho…”

A experiência pessoal me ensinou que a frase “eu acho…” é outro sinal de baixa autoconfiança.

Lembro-me de que, na faculdade, tinha a tendência de começar minhas frases com “acho que…”. Foi minha maneira de compartilhar meus pensamentos sem realmente possuí-los. Eu estava preocupado que, se expressasse minhas opiniões diretamente, as pessoas pudessem julgar ou discordar de mim.

Então, eu diria coisas como “Acho que poderíamos tentar este método para o projeto…” em vez de sugerir com confiança: “Vamos tentar este método para o projeto…”. Foi uma forma sutil de me distanciar das minhas ideias, caso elas não fossem bem recebidas.

Olhando para trás, percebo que foi um sinal claro da minha falta de confiança. Ao usar “Eu acho…”, eu estava essencialmente dizendo que meus pensamentos eram apenas suposições e não ideias bem pensadas.

Se isso lhe parece familiar, é hora de começar a assumir seus pensamentos e expressá-los com confiança. Suas ideias são valiosas, não as venda abaixo do preço!

3) “Isso faz sentido?”

A frase “Isso faz sentido?” é comum entre aqueles que não têm autoconfiança. Implica sutilmente que você não confia em sua capacidade de se comunicar com eficácia ou que duvida do valor do que está dizendo.

Curiosamente, estudos em psicologia da comunicação sugerem que pedir validação desta forma pode, na verdade, minar o impacto da sua mensagem. Ao questionar a clareza ou o valor de suas próprias palavras, você inadvertidamente incentiva outros a fazerem o mesmo.

Em vez de buscar validação, confie na sua capacidade de se comunicar com eficácia. Se alguém precisar de esclarecimentos, eles pedirão. Então, abandone a pergunta “Isso faz sentido?” e mantenha suas palavras com confiança.

4) “Não sou especialista, mas…”

“Não sou especialista, mas…” é uma frase que muitos de nós usamos quando não temos certeza de nossos conhecimentos ou habilidades. É um qualificador, uma forma de nos protegermos de possíveis críticas ou divergências.

Mas aqui está o problema. Ao usar essa frase, você está essencialmente se preparando para ser rejeitado ou ignorado. É como se você estivesse dizendo: “Sinta-se à vontade para me ignorar porque não sei realmente do que estou falando”.

Em vez de minimizar seus conhecimentos ou habilidades, aceite-os. Você tem experiências e insights únicos com os quais outras pessoas podem aprender.

Abandone o “não sou especialista, mas…” e confie no seu valor e nas suas capacidades.

5) “Talvez seja só eu…”

“Talvez seja só eu…” é outra frase comumente usada por quem não tem autoconfiança. É uma forma sutil de se distanciar de uma opinião ou observação, como que para evitar possíveis divergências ou críticas.

Continua após a publicidade..

Esta frase reflete o medo de se destacar ou de ser diferente. Isso sugere que você não tem certeza de suas próprias percepções e experiências e que está disposto a rejeitá-las se os outros não concordarem.

Mas lembre-se, suas percepções e experiências são válidas, mesmo que não sejam compartilhadas por todas as outras pessoas. Então, em vez de dizer “Talvez seja só eu…”, reconheça seus pensamentos e sentimentos. Você pode dizer: “É assim que eu vejo…” ou “Na minha experiência…”.

Não há problema em ser diferente. Abrace sua singularidade e expresse-se com confiança.

6) “Não quero incomodar você, mas…”

Esta é uma frase que mexe com o meu coração – “Não quero incomodar você, mas…”. É frequentemente usado por quem não tem autoconfiança, uma indicação sutil de que se sente indigno do tempo ou da atenção de alguém.

Ao usar essa frase, você está essencialmente se desculpando por ocupar espaço ou por ter necessidades. E isso pode ser um reflexo doloroso de como você vê o seu valor.

Mas deixe-me dizer uma coisa: você não é um incômodo. Seus pensamentos, seus sentimentos, suas necessidades – eles são importantes. Você merece ocupar espaço. Você merece ser ouvido. Você merece ter suas necessidades atendidas.

Então, em vez de dizer “Não quero incomodar você, mas…”, afirme-se. Você pode dizer: “Posso ter um momento do seu tempo?” ou “Preciso discutir algo com você”.

Lembre-se, você é digno e merecedor. Não deixe ninguém – incluindo você mesmo – fazer você sentir o contrário.

7) “Não foi nada…”

Muitas vezes me peguei descartando minhas conquistas com a frase: “Não foi nada…”. É uma forma de ignorar elogios ou minimizar o sucesso, frequentemente usada por quem não tem autoconfiança.

Houve um tempo em que trabalhei incansavelmente em um projeto, dediquei inúmeras horas e até sacrifiquei meus finais de semana. Mas quando o projeto foi um sucesso e os membros da minha equipe elogiaram meu trabalho árduo, eu simplesmente disse: “Não foi nada…”.

Olhando retrospectivamente, percebo que não foi “nada”. Foi o resultado da minha dedicação e trabalho duro. Ao descartá-lo, eu estava minando meus próprios esforços e habilidades.

Se isso ressoa em você, lembre-se de que vale a pena comemorar suas conquistas. Não subestime seu sucesso. Em vez de dizer “Não foi nada…”, expresse gratidão pelo reconhecimento e orgulhe-se do seu trabalho. Você ganhou!

Continua após a publicidade..

8) “Tenho sorte…”

“Tenho sorte…” é outra frase que as pessoas costumam usar para minimizar suas realizações ou habilidades. Ao atribuir o sucesso à sorte, evitam reconhecer seus próprios esforços ou habilidades.

Esta frase reflete a falta de autoconfiança e o medo de assumir o próprio sucesso. É como se você dissesse que não merece elogios ou reconhecimento, que tudo é fruto do acaso.

Mas lembre-se, a sorte pode desempenhar um papel no sucesso, mas não é tudo. Seus esforços, suas habilidades, sua dedicação – são isso que realmente impulsionam suas conquistas.

Então, em vez de dizer “Tenho sorte…”, reconheça seu trabalho duro. Você pode dizer: “Trabalhei muito para isso…” ou “Sou grato pelas minhas habilidades…”.

Seja dono do seu sucesso. Você ganhou!

9) “Não posso…”

“Não posso…” é talvez a frase mais prejudicial que alguém sem autoconfiança pode usar. Imediatamente cria uma barreira, uma limitação que você impõe a si mesmo.

Esta frase é mais do que apenas uma expressão de dúvida ou incerteza. É uma profecia autorrealizável. Ao dizer a si mesmo que não pode fazer algo, você já está se preparando para o fracasso.

Mas aqui está a verdade: você é capaz. Você é resiliente. Você tem potencial para aprender, crescer e superar desafios.

Então, substitua “Não consigo…” por “Vou tentar…”. Acredite em suas habilidades. Abrace a possibilidade de sucesso. Porque você é mais forte do que pensa e pode conseguir mais do que acredita.

Pensamento final: é tudo uma questão de autoconfiança

As complexidades da comunicação humana e da autopercepção estão profundamente interligadas com nossas crenças fundamentais sobre nós mesmos.

No centro disso está a nossa autoconfiança, ou às vezes, a falta dela. Essa falta muitas vezes pode surgir em nossas conversas, revelando-se sutilmente por meio de frases que prejudicam nossa autoestima.

Mas o problema é o seguinte: você é capaz, é valioso e tem todo o direito de expressar seus pensamentos e opiniões sem desculpas ou hesitação.

A jornada para construir autoconfiança começa com o reconhecimento dessas frases prejudiciais e a substituição consciente delas por palavras que reflitam seu valor e suas capacidades.

Seja expressando seus pensamentos em uma reunião, abraçando suas conquistas ou defendendo suas opiniões em um debate, é crucial lembrar que sua voz é importante.

Então, da próxima vez que você estiver prestes a pronunciar uma dessas frases, faça uma pausa. Reflita. Escolha palavras que realmente reflitam seu valor e suas capacidades.

Afinal, a linguagem que usamos molda não apenas a forma como os outros nos percebem, mas também como nós nos percebemos.

Perdeu seu senso de propósito?

Nesta era de sobrecarga de informação e pressão para satisfazer as expectativas dos outros, muitos lutam para se conectarem com o seu propósito e valores fundamentais. É fácil perder a bússola interior.

Jeanette Brown criou este PDF gratuito de descoberta de valores para ajudar a esclarecer suas motivações e crenças mais profundas. Como experiente coach de vida e professora de autoaperfeiçoamento, Jeanette orienta as pessoas em grandes transições, realinhando-as com seus princípios.

Seus exercícios de valores exclusivamente perspicazes iluminarão o que o inspira, o que você representa e como pretende operar. Isso serve como um filtro refrescante para desligar o ruído social, para que você possa fazer escolhas baseadas no que é mais importante para você.

Com seus valores claramente ancorados, você ganhará direção, motivação e bússola para tomar decisões a partir do seu melhor – em vez de emoções passageiras ou influências externas.

Pare de vagar sem propósito. Redescubra o que faz você ganhar vida com o guia de clareza de valores de Jeanette Brown.

Você gostou do meu artigo? Curta-me no Facebook para ver mais artigos como este em seu feed.

Share.