Em parceria com BandLab

Acompanhada da mãe, Sophie Castillo está animada depois de um dia agitado ao conhecer NME em um pub no leste de Londres. Tendo acabado de terminar sua sessão de fotos para o programa BandLab e NME: Get Featured em um estúdio próximo, faz sentido que sua mãe colombiana tenha estado ao seu lado o dia todo, já que sua influência é uma parte fundamental do indie-pop com toques latinos de Castillo. que continua a causar agitação nas redes sociais.

Continua após a publicidade..

Desde seu single ‘Call Me By Your Name’ no início de 2022 explodiu inesperadamente no TikTok um ano depois, Castillo ultrapassou um milhão de curtidas no aplicativo e conquistou um público global, enquanto os singles continuam a chegar em grande quantidade e rapidamente. Com base neste som centrado na produção pop nítida com um groove latino melódico e sexy, Castillo está finalmente fazendo a música que ela sempre esteve destinada a fazer, seja a linha de baixo quente de ‘Fine’ ou a produção crua e minimalista de seu último single ‘3AM’, que teve sua arte idílica filmada em Calima, Colômbia.

“Você sente que cresceu com [this music]e está no seu sangue”, diz Castillo NME. “Ainda mais para pessoas como minha mãe, que foram criadas na América do Sul… você sente isso nas veias.”

Cantar tem sido uma característica constante da educação de Castillo no oeste de Londres desde que ela se lembra. Começando no teatro musical, ela passou por uma fase da “experiência adolescente britânica clássica” – onde seu gosto e suas primeiras façanhas de composição foram dominados pelo indie, rock e pop-punk. Ao entrar na idade adulta, a salsa que acompanhava suas viagens diárias de carro e sua vida doméstica começou a se infiltrar em sua música, onde seu amor por Lana Del Rey, Kali Uchis e Billie Eilish pode se entrelaçar com os estilos tradicionais latino-americanos.

Castillo conversou com NME sobre sua infância, lidando com o sucesso de ‘Call Me By Your Name’ e para onde espera levar seu próximo som, ao ser escolhida como a última seleção do show BandLab e NME: Get Featured Opportunity.

Sofia Castillo
Crédito: Rachel Billings

NME: Parabéns por ter sido selecionado para o presente BandLab e NME: oportunidade de destaque!

“É muito bom que eles tenham essa oportunidade. A filmagem foi muito profissional; um processo realmente fácil e tranquilo. Eu moro na área de Latimer Road, na [London Underground] Linha Central, então é fácil chegar a qualquer lugar a partir daí!”

Quando você começou a escrever música?

“Eu tinha cerca de 15 anos… na verdade, eu costumava escrever rock. Pop-punk também, como Paramore e The Pretty Reckless. Na época, eu gostava de muitas bandas que as crianças clássicas britânicas adoravam: Arctic Monkeys, The Vaccines, Jamie T.”

A música latina entrou na sua vida antes ou depois dessa fase?

“Sempre adorei música latina. Cresci cantando, dançando e curtindo música com minha família – é como a salsa de todos os dias na minha casa, no carro. Eu estava constantemente conectado com isso. [At home] falamos espanhol. Comecei a falar espanhol aos três anos, quando minha tia veio da Colômbia para ajudar a cuidar de mim enquanto minha mãe trabalhava, ela é mãe solteira. Com a minha mãe, a gente troca – depende muito de quantas novelas estamos assistindo!”

Continua após a publicidade..

Quais artistas latinos marcaram sua infância?

“Minha família gosta especificamente de salsa. Grupos como Grupo Niche, Fruko Y Sus Tesos, e depois pessoas icônicas como Celia Cruz, Marc Anthony. Depois teve o Bachata, e o Reggaeton veio um pouco mais tarde na minha vida. Minha família sempre me obrigava a dançar quando eu era adolescente, nas festas de família que fazíamos. Eu era tão tímido! Foi uma experiência de infância latina.

“Quando eu tinha 18 anos, tentei me inspirar mais na música latina e meio que falhei, porque não tinha certeza de como abordar isso. Eu não conhecia nenhum produtor ou músico latino e não tinha nenhuma ligação anterior com a indústria musical ou algo parecido.”

Sofia Castillo
Crédito: Rachel Billings

Como as coisas mudaram para você?

“Eu tenho o GarageBand. Sempre quis um Mac, mas eles são muito caros – comprei a versão pré-paga apenas para obter o GarageBand especificamente. E então comecei a fazer minhas próprias batidas ali. Dessa forma eu tinha mais controle, então poderia adicionar espanhol se quisesse.

“A primeira demo que fiz, enviei para um produtor. Esse foi meu primeiro single, depois o segundo e o terceiro. Lentamente, mas com segurança, comecei a adicionar cada vez mais espanhol. Quando conheci um produtor latino com quem queria trabalhar, fizemos ‘Call Me Your Name’ e fomos mais indie-latinos.”

Continua após a publicidade..

Você ainda adota a mesma abordagem?

“Gosto de dar ao produtor uma ideia sólida do tipo de produção que desejo. Estou realmente focado em ser coprodutor, porque posso trazer muitas ideias de produção. Eu adoro produção. Eu só preciso aprender o software!”

Como você conheceu esse produtor com quem está trabalhando agora?

“O nome dele é Lennon. Na verdade, nós nos conhecemos em um show, ele é o baixista de um artista indie-latino do Reino Unido que eu adoro [called] Desta francês. Fui ao show dela, conversamos com ele e fizemos uma sessão com ele. Voltei depois para fazer mais, e então fizemos ‘Call Me By Your Name’. Ele tinha uma ideia muito clara do que eu queria que fosse e realmente ajudou a dar vida a isso.”

Você sentiu alguma pressão depois que ‘Call Me By Your Name’ se tornou viral?

“Houve situações que atrasaram [future] músicas sejam lançadas. Eu não podia deixar isso cair, eu tinha que dar alguma coisa para as pessoas. Isso adiciona um pouco de pressão, porque eu queria ter certeza de continuar fazendo músicas que as pessoas gostassem. Não quero que seja apenas uma música, quero que as pessoas amem todas elas. Tive sorte porque os streams de todas as minhas outras músicas também aumentaram; números realmente saudáveis.”

Existe um estilo ou gênero específico que você espera seguir?

“Sou uma pessoa bastante cinematográfica. Quero deixar minha mente correr livremente e não ser limitada. Sou totalmente independente no momento, não tenho mais gestão. Eu sinto que coloquei o amor de volta na música. Passei por um período em que fazer música era muito estressante, por causa de circunstâncias externas.

“As coisas em que estou trabalhando agora são muito cinematográficas, etéreas e o drama está presente. É como assistir a um filme. Para o próximo single, imagine que há uma porta no oceano e você passa por ela. Meu produtor teve a mesma imagem por algum motivo, foi como uma mensagem estranha que nós dois recebemos. Por outro, estou fazendo um videoclipe para ele. É como De Crepúsculo até o amanheceronde Salma Hayek está dançando na mesa – esse tipo de vibração.”

Quais são seus planos para o ano?

“Estou trabalhando em um EP no momento. É tudo sobre amor, traição, paixão, drama, a experiência de ser uma mulher latina. Feminilidade, energia feminina divina – algo superetéreo. Cada música é diferente, inspirando-se em vários gêneros latinos diferentes.

“Muito do meu público está nos EUA. Estou tentando ver como posso fazer alguns shows por lá porque muita gente fica me pedindo para fazer shows! Talvez eu pudesse pelo menos fazer um pequeno show na Califórnia, em Nova York ou em Miami.”

Sophie Castillo foi escolhida como a próxima banda selecionada para o BandLab e NME apresentar: Get Featured, uma iniciativa musical através do Opportunities via ReverbNation.



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email