St Vincent retornou com o single de retorno “Broken Man” e anunciou detalhes do novo álbum “All Born Screaming”. Confira tudo abaixo, como conta Annie Clark NME sobre a “agonia e êxtase” de seu sétimo disco.

Continua após a publicidade..

‘All Born Screaming’, a continuação do aclamado ‘Daddy’s Home’ de 2021, chegará em 26 de abril. Depois que surgiram recentemente notícias de que Cate Le Bon e Dave Grohl apareceram no disco – este último emprestando a bateria para ‘Broken Man’ – agora foi revelado que o álbum de produção própria também apresenta uma formação eclética de Rachel Eckroth, Devo e Josh Freese do Foo Fighters, Mark Guiliana, Justin Meldal-Johnsen, Stella Mogzawa do Warpaint e David Ralicke.

O single principal ‘Broken Man’ é uma fera do rock industrial ameaçadora que vê Clark dar uma introdução sinistra à sua nova era enquanto ela ronda e avisa: “Na rua, sou um assassino enorme – posso fazer seu reino chegar”.

Essa linha, e a faixa como um todo, Clarke disse NMEé representativo do clima de ‘All Born Screaming’ com “aquele brilho e arrogância que você sente antes que as coisas dêem terrivelmente errado!”

Olá Annie. Você costuma adotar personagens para seus discos. Quem você está interpretando em ‘Broken Man’ e ‘All Born Screaming’?

Annie Clark: “Em geral neste álbum não há personagem – sou só eu. É apenas o som do interior da minha cabeça. Eu o produzi para que minha mão esteja presente em todos os momentos. Acho que essa ideia de quebrantamento que você sente tem muitas camadas. Por um lado, posso entrar nesta sala e quem me vê, cara, me quer! Eu estou trabalhando nisso! Eu poderia governar este mundo. Então, no segundo que é perfurado, você vê a carne parda por baixo da raiva, do medo, da aversão e do quebrantamento. Essa é apenas a complexidade da existência.”

E ter Dave Grohl na bateria é certamente uma forma de aumentar o ‘gnarl’…

“Desde o início da música, é uma gravação lenta. A forma da música é subir a montanha, porque ela simplesmente cresce e cresce. Existem essencialmente três bateristas na faixa: a primeira parte é minha programação, a segunda parte entra Mark Guiliana, e então, bem no final da faixa – justamente quando você pensa que não pode subir mais – Grohl entra com esse espírito absolutamente imprudente e simplesmente leva isso ao limite.”

Cada álbum do St Vincent vem com sua própria narrativa e universo. O que este vídeo nos diz sobre este novo mundo e era?

“O vídeo é a capa do álbum ganhando vida. É uma exploração do quebrantamento, filmada num vazio negro – uma dança violenta com a câmera. É uma descoberta e, em seguida, uma aceitação de estar absolutamente em chamas.”

Continua após a publicidade..

Você tem Alex Da Corte como seu colaborador visual. O que ele traz para a mesa?

“Alex criou o lado visual do disco. Já trabalhamos juntos antes – principalmente no meu videoclipe de ‘New York’ – e ele é um dos meus artistas modernos favoritos. Ele é tudo. Começámos a falar sobre o que era este disco e a sua componente visual em Madrid este verão. Nós fomos para [Museo Nacional del] Prado e vi as Pinturas Negras de Goya.

“Você vê Saturno comendo seus filhos, a máscara da bruxa. Entramos nesta sala claustrofóbica e vimos as pinturas que Goya fez no final da vida. Ele não queria necessariamente que fossem vistos, mas eram pinturas que ele tinha em casa. Foi com isso que ele se cercou. Alex e eu nos entreolhamos e foi elétrico. Nos inspiramos muito no sentimento daquelas pinturas negras de Goya.”

O músico St. Vincent se apresenta no palco na 29ª Cerimônia Anual de Indução ao Hall da Fama do Rock And Roll no Barclays Center do Brooklyn em 10 de abril de 2014 na cidade de Nova York (CREDITO: Kevin Kane / WireImage para Rock and Roll Hall of Fame)

Então é um álbum bem sombrio, hein?

“Para mim o disco é preto, branco e todas as cores do fogo, porque é sobre vida ou morte. A vida e a morte são bastante binárias – você está vivo ou está morto. O álbum é sobre o que é estar vivo e abraçar essa agonia e êxtase.”

Continua após a publicidade..

Quando conversamos antes de ‘Daddy’s Home’, você disse que aquele disco era “blues para 2021”. ‘Broken Man’ nos diz algo sobre a natureza metálica do disco, ou vai para todos os lugares? Altos felizes e baixos devastadores?

“Isso vai para o inferno. No registro, você tem que passar pelo inferno para chegar a alguma aparência do céu. O disco para mim está estruturado dessa forma.”

Você se sente mais próximo das músicas por ter atuado como produtor único pela primeira vez?

“Eu co-produzi cada um dos meus discos e acompanhei tudo, mas com este eu precisei ir a lugares que não tinha ido sonoramente antes. Eu precisava entender o som – cientificamente e também como intenção. Eu precisava dizer: ‘Estou movendo eletricidade fisicamente, estou brincando com correntes, vou foder o Thor’. Minhas impressões digitais estão em tudo. De certa forma me sinto mais próximo, porque é genuinamente o interior da minha cabeça, sem nenhum filtro.”

O que essa sensação de destruição elétrica e impiedosa significará para o show ao vivo desta vez?

“Eu vou foder com eles. Eu vou foder com eles.

Estamos ansiosos por isso. Obrigado, Annie. Estou ansioso para vê-lo em algum festival esquecido por Deus neste verão.

“Eu também! Espero que cheire a esterco de vaca e um pouco de urina humana. Sempre acontece!

São Vicente – obra de arte 'All Born Screaming'
São Vicente – obra de arte ‘All Born Screaming’

St Vincent lança ‘All Born Screaming’ em 26 de abril pela Virgin Music/Fiction Records. Confira a tracklist abaixo.

‘O inferno está próximo’
‘Irresponsável’
‘Homem Quebrado’
‘Pulga’
‘Grande momento, nada’
‘Tempos violentos’
‘Acabou a energia’
‘Fruta mais doce’
‘Tantos Planetas’
‘All Born Screaming’ (com participação de Cate Le Bon)



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email