Retomando a produtividade das primeiras décadas de carreira, o Geléia de Pérola vem aí com seu 12º álbum chamado Matéria escura. Ele chegará em abril, apenas quatro anos depois de Gigaton (2020).

Acontece que a missão não é nada simples, já que essas lendas do Grunge têm obras-primas em seu catálogo desde os anos 1990 com Dez e Vs.passando por Retrocesso e Geléia de Pérola nos anos 2000, até se reinventar mais uma vez com Relâmpago em 2013.

Continua após a publicidade..

Pensando nisso, o TMDQA! rankeou todos os 11 discos do PJ até aqui, do pior ao melhor, pra gente tentar entender onde Matéria escura pode se encaixar nessa lista! Confira abaixo e pode contar nas nossas redes (Twitter/Instagram) quais posições você mudaria.

11Binaural (2000)

O primeiro álbum do Pearl Jam no século 21 também foi o primeiro com Matt Cameron na bateria, após Jack Ferros sair por não querer mais fazer turnês extensas. Outra mudança foi na produção, trazendo Tchad Blake não lugar de Brendan O’Brienque trabalhava com a banda desde 1993.

Acontece que O’Brien foi chamado mais tarde para remixar várias faixas, mostrando que nem o grupo estava satisfeito com o novo rumo que havia tomado. A temática das letras também é mais sombria que o comum, inclusive a dos sucessos “Nada é como parece ser” e “Anos luz”.

10Gigaton (2020)

Em 2018, Eddie Vedder e companhia animaram os fãs com o lançamento do single “Não posso me negar” e o anúncio de uma turnê mundial, que inclusive passou pelo Brasil no Lollapalooza.

Um álbum cheio foi prometido para 27 de março de 2020… essa data te lembra alguma coisa? Pois é, Gigaton saiu exatamente quando o mundo estava parando por conta da COVID-19, e a banda só conseguiu realizar os shows cancelados em 2022.

Sem a turnê de divulgação – e músicas que, convenhamos, não são muito memoráveis – o disco praticamente caiu no esquecimento. Os destaques ficam para “Dança dos Clarividentes” e “Lua Lobisomem Supersangue”.

9Nenhum código (1996)

Outro disco que quase não teve turnê de apoio foi o quarto do Pearl Jam, em 1996. Naquela época, a banda se recusava a fazer shows em locais envolvidos com a Ticketmaster, empresa que acusava na Justiça por cobranças indevidas no valor dos ingressos.

Nenhum código marcou a primeira vez que o grupo buscou romper com a sonoridade que tinha desde o primeiro disco, e as letras falam justamente sobre amadurecimento. Ele tem boas músicas como “Salve, Salve” e “Quem é você”mas faltam grandes hits.

8Lei de motim (2002)

Este é um dos discos mais intensos da banda de Eddie Vedder, porque foi lançado dois anos depois da tragédia de Roskilde, quando nove fãs do PJ morreram pisoteados durante um show. Na ocasião, o grupo cancelou o restante da turnê e cogitou encerrar a carreira.

Mas eles ressignificaram o episódio com músicas belíssimas como “Arco” e “Salvar você” e outras canções mais experimentais e voltadas para o Folk como “Capitão do Barco do Amor”além da presença de um mega-hit com a incrível “Eu sou meu”.

LEIA TAMBÉM: The Beatles: um ranking do pior ao melhor disco

7Colheita (1998)

Enquanto manteve as letras mais contemplativas de Nenhum códigoo Pearl Jam voltou para sua sonoridade mais pesada com o disco que saiu dois anos depois. Colheita é considerado um álbum mais colaborativo e tem músicas escritas por todos os integrantes.

Continua após a publicidade..

Além dos belos singles “Dado para voar” e “Lista de Desejos”o trabalho traz a pedrada “Faça a evolução”que ganhou um raro videoclipe criado pelo lendário ilustrador Todd McFarlane – o primeiro vídeo do PJ em seis anos. Um clássico!

6Geléia de Pérola (2006)

Foi a primeira vez desde o início da carreira que o Pearl Jam ficou quatro anos sem lançar um disco, e eles voltaram simplesmente com um álbum autointitulado que fala diretamente sobre a guerra no Iraque e outros problemas da política dos EUA.

Na época, o baixista Jeff agora disse que o trabalho tem um “sentimento de urgência” e foi gravado em poucos leva.

Além dos belos singles “Suicídio Mundial” e “Vida desperdiçada”o miolo do disco tem excelentes faixas como “Pára-quedas”, “Mão decepada” e “Voltar”que virou um clássico entre os fãs mais fervorosos.

5Retrocesso (2009)

Para o nono álbum da carreira, os gigantes do Grunge voltaram a trabalhar com o produtor Brendan O’Brien e voltaram a experimentar vertentes como a New Wave. O resultado foi o primeiro disco da banda desde Nenhum código12 anos antes, a estrear como nº 1 nas paradas americanas.

Músicas como “Apenas Respire”, “O Reparador” e “Impensado Conhecido” mostram um lado mais otimista nas composições, e Eddie Vedder atribuiu isso ao fato de Barack Obama ter sido eleito presidente dos EUA.

O disco ainda traz um dos melhores solos de guitarra de Mike McCreadyem “Entre as ondas”.

Continua após a publicidade..

4Vitalogia (1994)

Daqui em diante, a posição dos álbuns neste ranking depende muito dos gostos e da relação pessoal de cada fã. Mas os conflitos internos do grupo na época de Vitalogiao terceiro do Pearl Jam, podem ter impedido que o álbum fosse ainda mais relevante.

A banda estava no auge da batalha com a Ticketmaster nessa época, e o baterista Dave Abbruzzese foi demitido logo após as gravações do terceiro disco por não concordar com o boicote, que também significava poucos shows – e pouca remuneração.

Ainda assim, eles entregaram pedradas como “Gire o Círculo Negro”, “Não para você” e “Cotelê”além da balada Homem melhor”uma das primeiras músicas que Vedder escreveu na vida, quando estava no ensino médio.

3Relâmpago (2013)

O único “infiltrado” entre os álbuns mais antigos do PJ neste topo do ranking é Relâmpagoo décimo da carreira, primeiro e único nos anos 2010. O disco demorou pra sair porque todos os integrantes estavam dedicados a projetos paralelos, mas toda a espera valeu a pena.

A banda decidiu falar sobre envelhecimento e mortalidade nas letras, e o som une a experimentação de Retrocesso e o melhor do Grunge clássico de 20 anos antes.

No quesito influências, “Cuide das suas maneiras” foi abertamente inspirada em Kennedys Mortos, “Lua Amarela” eles Neil Young e a lindíssima “Sereias” eles Pink Floyd. Uma receita infalível que faz o álbum ser bom do início ao fim.

2Vs. (1993)

O Pearl Jam teve e ainda tem uma carreira incrível, se manteve relevante pelos últimos 34 anos e é hoje uma das maiores bandas do planeta. Mas não tem como fugir: os dois melhores discos são os dois primeiros.

Se Dez é um dos melhores álbuns de estreia de todos os tempos, Vs. também pode ser considerado um dos maiores “segundos atos” do Rock.

Como forma de conter a pressão, o grupo decidiu dar poucas entrevistas de divulgação, quase não apareceu na TV e não produziu nenhum videoclipe, algo que eles sempre consideraram que “rouba” a atenção da música.

Em contrapartida, Eddie Vedder e companhia apostaram em faixas ainda mais pesadas como “Ir”, “Animal” e “Espelho retrovisor”mesclando com as lindíssimas “Filha”, “Dissidente” e “Mulher idosa atrás do balcão em uma cidade pequena”. Foi mais uma obra-prima e que manteve a banda no topo do mundo.

1Dez (1991)

Este ranking termina onde começa a história do Pearl Jam, quando Eddie Vedder saiu da Califórnia para complementar perfeitamente as músicas que Pedra Gossard e Jeff agora haviam feito na época do Osso do amor maternoque perderia tragicamente o vocalista André Madeira em 1990.

Quando Chris Cornell aproximou toda essa galera através do Templo do Cachorroa magia estava feita e o Pearl Jam entrava para o panteão do Grunge ao lado do jardim de som, Nirvana e Alice acorrentada – banda com a qual o PJ fez os primeiros shows da carreira.

Dez é um daqueles discos sem defeitos, com seus 53 minutos todos compostos por clássicos. Desde a abertura com “Uma vez” até o encerramento em “Liberar”passando por “Preto”, “Fluxo uniforme”, “Jeremias”, “Vivo”, “Oceanos” e mais, o álbum conta a história do Rock naquele momento.

Como resultado, acabou transformando o Rock para sempre!

Share.