ad

A feminista Frankenstein que sangra na fantasia vitoriana, Pobres coisas é um filme alucinante. Visualmente resplandecente, escrito de forma atrevida, impecavelmente elaborado, é o mais recente golpe de gênio de Yorgos Lanthimos, o diretor grego de A morte de um cervo sagrado, A lagosta e, mais recentemente, o premiado de 2018 O favorito.

Continua após a publicidade..
ad

Este último, um drama obsceno de época da era Queen Anne, compartilha algum DNA com Pobres coisascomo O favoritoO roteirista australiano Tony McNamara mais uma vez trazendo sua inteligência e magia ao roteiro. Depois, há o diretor de fotografia irlandês Robbie Ryan evocando magia com a câmera e a atriz Emma Stone apresentando uma das performances mais idiossincráticas de sua carreira.

Baseado no romance homônimo da era vitoriana de 1992, de Alasdair Gray, Stone interpreta Bella, uma figura infantil no corpo de uma mulher. Ela é responsável pelo Dr. Godwin Baxter (Willem Dafoe), o cientista com rosto cicatrizado e sotaque hiberniano – ou ‘Deus’, para abreviar. Vítima de suicídio, resgatada e revivida por Baxter, o renascimento milagroso de Bella a deixou reaprendendo a linguagem, a etiqueta e muito mais.

Inicialmente confinada ao laboratório de Baxter, Bella rapidamente acumula novas palavras e, quando coloca a mão entre as pernas, descobre que possui um portal de prazer que lhe proporciona uma alegria sem limites. Observada por Max (Ramy Youssef), que logo se apaixonará por Baxter, ela também descobre que os homens são criaturas muito diferentes do seu próprio sexo.

Continua após a publicidade..
ad

Pobres coisas
Willem Dafoe em ‘Pobres Coisas’. CRÉDITO: Atsushi Nishijima/Searchlight Pictures

O advogado libertino e bigodudo de Mark Ruffalo, Duncan Wedderburn, é um exemplo disso. Em pouco tempo, ele leva Bella para uma viagem pela Europa, começando por Lisboa – embora a sua verdadeira educação pareça estar entre os lençóis, onde ela se entrega ao que eufemisticamente chama de “saltos furiosos”, uma das muitas deliciosas frases de McNamara. isso provoca uma risada.

Correndo em 141 minutos, Pobres coisas pode parecer sobrecarregado às vezes, com o passeio de Bella por Lisboa, Paris e Alexandria desnecessariamente longo. Mas é quase grosseiro criticar essa indulgência com muita severidade, dada a pura invenção em exibição, desde o uso distinto de lentes olho de peixe deformadas por Ryan até a arte dos designers de produção Shona Heath e James Price, que chamam a atenção.

Continua após a publicidade..

Lanthimos parece determinado aqui a jogar tudo pela parede e ver o que pega (a maior parte pega), até mesmo arriscando alienar o público nas primeiras cenas com a partitura abrasiva do músico experimental Jerskin Fendrix, que parece projetada para irritar e irritar. É claro que tudo faz parte do plano diretor.

Bem no centro disso está Emma Stone, já vencedora de um Globo de Ouro por seu trabalho e na disputa para adicionar um segundo Oscar à sua vitória em 2016. La La Terra. Uma virada fisicamente hábil, linguisticamente astuta, é um ato de corda bamba que ela realiza com tanto brio que você pensaria que ela nasceu como Bella.

Com um uso astuto de técnicas antigas (como pinturas foscas) e truques digitais, Pobres coisas também é encantador de se olhar. Embora sua natureza excêntrica não seja para todos os gostos, a defesa da astúcia feminina sobre a insuportável idiotice masculina certamente deixará muitos com um grande sorriso no rosto.

Detalhes

  • Diretor: Yorgos Lanthimos
  • Estrelando: Emma Stone, Mark Ruffalo, Willem Dafoe
  • Data de lançamento: 12 de janeiro (nos cinemas do Reino Unido)



Share.
ad