Slâminas de bruxa. Hooch. Couro e jeans. E o rugido da Harley Davidson. É fácil ver o apelo ao escritor e diretor Jeff Nichols (Imagem: Divulgação)Especial da meia-noite, Lama) quando se trata de Os ciclistas. Inspirado no trabalho em preto e branco de Danny Lyon, o fotógrafo americano que andava com uma gangue de motociclistas de Chicago na década de 1960, Nichols narra de forma convincente a ascensão e queda de um clube de motociclismo do Meio-Oeste.

Continua após a publicidade..

O presidente dos Vândalos é Johnny (Tom Hardy), um caminhoneiro e louco por motos que decidiu formar uma gangue depois de assistir Marlon Brando em O selvagem. O segundo no comando é Brucie (Damon Herriman), mas o verdadeiro rebelde sem causa é Benny (Austin Butler). Amado por Johnny, que admira sua postura de “não se importar com nada”, ele é o seu lutador de rua habitual; o tipo de garoto que não tira a cor do motociclista mesmo quando está levando uma surra.

Nichols enquadra a história através da namorada de Benny, Kathy (Jodie Comer), que está sendo entrevistada para o livro de Lyon. Uma garota normal e franca, ela é o nosso caminho para este mundo de encontros de bicicleta, brigas de bar e festas encharcadas de bebida. “Eu costumava ser respeitável”, ela murmura, a certa altura, mas seu amor por Benny, um brigão sensível, se é que alguma vez existiu, supera tudo.

Tom Hardy como líder de uma gangue de motociclistas em ‘The Bikeriders’. CRÉDITO: Estúdios do Século 20

Continua após a publicidade..

Há mais do que um pouquinho de Martin Scorsese Bons companheiros sobre o filme de Nichols – desde o flash de abertura até uma virada violenta, completa com congelamento de quadro, até a trilha sonora da jukebox (The Animals, The Stooges, The Shangri-Las, Dale Hawkins e mais). E como o clássico gangster de Scorsese, trata-se muito de lealdade e camaradagem. Como diz Brucie: “Todo mundo quer fazer parte de alguma coisa”.

Continua após a publicidade..

Tudo o que você pensa Os ciclistas, um filme que tem um toque episódico, está nadando em talentos de atuação. Hardy oferece algo semelhante ao seu personagem no conto da era da Depressão de 2012 Sem lei, um homem de poucas palavras que nem sequer estremece quando um jovem pretendente do capítulo de Milwaukee de The Vandals o desafia para uma briga de faca. Comer, fumando um cigarro atrás do outro o tempo todo, mostra mais uma vez por que ela é um talento tão excitante.

Há também curvas pequenas, mas potentes, do Boyd Holbrook, Mortos-vivosNorman Reedus e Nichols Michael Shannon como motociclistas dos Vândalos. Mas é Austin Butler quem continua se destacando. Provando que seu Elvis Presley na cinebiografia de Baz Luhrmann de 2022 não foi um flash na panela, ele exala carisma em uma reviravolta latente. Tanto é assim que, quando ele desaparece da história após uma luta brutal em que fica gravemente ferido, o filme luta por um tempo para recuperar o ímpeto.

Capturando a natureza livre e rápida desses motociclistas, o filme de Nichols também, felizmente, vem repleto de humor. Como no momento em que o personagem de Reedus recebe US$ 5 para sentar em sua bicicleta do lado de fora de uma exibição de cinema Cavaleiro Fácil para atrair os apostadores. Evitando o melodrama por um registro mais discreto, pode não satisfazer quem procura emoções rápidas. Mas este carro lento é uma visão elegante de uma época passada, quando tudo o que importava era ter dinheiro suficiente para colocar gasolina no tanque.

Detalhes

  • Diretor: Jeff Nichols
  • Estrelando: Austin Butler, Jodie Comer, Tom Hardy
  • Data de lançamento: 1º de dezembro (nos cinemas do Reino Unido)



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email