Ha história do terror está repleta de sequências abaixo da média e histórias de origem terríveis, mas O Exorcista realmente leva o biscoito. Tão terrível foi o acompanhamento O Exorcista II: O Herege que o público supostamente caiu na gargalhada na estreia. Em seguida veio O Exorcista III, não tão mal recebido, embora de alguma forma menos lucrativo. E então há prequela Exorcista: o começo, estrelando Stellan Skarsgård como um pregador que virou arqueólogo cujo maior adversário não era o íncubo de boca suja Pazuzu, mas o roteiro sóbrio – que poderia ter feito qualquer ator morrer simplesmente de tédio. Faz todo o sentido, então, que uma nova reinicialização ignore esses ganhos imprudentes e volte ao início.

Continua após a publicidade..

Introduzir o Exorcista: Crente, que redefine a linha do tempo para cerca de 50 anos após o original. O fotógrafo Victor Fielding (Leslie Odom Jr.) está criando discretamente a adolescente Angela (Lidya Jewett) à sombra da trágica morte de sua esposa, 13 anos antes. Ele é um bom pai, embora compreensivelmente ansioso e autoritário. Infelizmente, quando Angela desaparece na floresta uma noite com a amiga rebelde Katherine (Olivia Neill, que se parece suspeitamente com a garota demoníaca Regan), seus nervos realmente são testados. Os dois amigos aparecem três dias depois, descalços e sem lembrança de onde estiveram ou do que encontraram lá. Por alguma razão, é isso que mais incomoda os pais – e não que nenhum deles mostre quaisquer sinais vagamente humanos de emoção. Pálido, coberto de cortes e hematomas, além de ostentar expressões permanentemente vazias, a única coisa que parece motivar nossa dupla sinistra é a chance de assustar todo mundo, quebrando um membro ou testa em uma janela de vidro. E se isso falhar, olhar avidamente para um bebê recém-nascido certamente resolve. Eventualmente, os adultos percebem: algo possuiu suas filhas.

Continua após a publicidade..

Dizer muito mais corre o risco de estragar a trama, que guarda algumas surpresas satisfatórias. Os fãs esperaram meio século por outro filme decente do Exorcista e não terão que esperar muito mais. Crente não é tão petrificante quanto o primeiro, que fez as pessoas fugirem dos cinemas só de assistir ao trailer, mas há alguns momentos perturbadores. O diretor David Gordon Green, que dirigiu a recente trilogia de Dia das Bruxasn reinicializações, depende de forma inteligente da atmosfera e aumenta lentamente a tensão, em vez de encher o filme com muitos sustos.

Continua após a publicidade..

Surpreendentemente, a melhor parte do trabalho de Green nem é o terror. É a história emocional que envolve as partes assustadoras. Leslie Odom Jr. (óptimo em tudo) tem uma química crível com Jewett e eles compartilham algumas das cenas mais comoventes. Igualmente impressionante é Ellen Burstyn, retornando aos 90 anos à franquia que fez seu nome. O que o protagonista clássico Chris MacNeil faz é ultrassecreto e sujeito a um embargo estrito. Então, tudo o que diremos é que isso resulta em uma sequência verdadeiramente comovente que com certeza fará você chorar. Sim, lágrimas de tristeza (de verdade). Isso pode não ser o que os fãs esperam de um filme do Exorcista, mas ficarão ainda mais surpresos ao saber que é realmente assistível.

Detalhes

  • Diretor: David Gordon Verde
  • Estrelando: Leslie Odom Jr., Ellen Burstyn, Lidya Jewett
  • Data de lançamento: 6 de outubro (nos cinemas)



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email