SÃO PAULO, 15 Fev (Reuters) – Há uma visão positiva em relação às ações brasileiras, não por causa do país em si, mas em razão das expectativas relacionadas ao início de um ciclo de cortes de juros pelo Federal Reserve neste ano, observou a estrategista do JPMorgan Emy Shayo, após reuniões com investidores nos Estados Unidos.

“A história do Brasil em 2024 enquadra-se no manual de mercados com beta elevado que vão bem no contexto em que o Fed reduz as taxas de juro em algum momento. O Brasil cabe como uma luva nessa história porque também tem juros em queda – o que é bom para as ações – e ‘valuations’ baratos”, afirmou.

Continua após a publicidade..

Em relatório enviado a clientes nesta quinta-feira, a analista notou que a questão de escolha de setores e ações é mais complicada.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

Continua após a publicidade..

“Não é diferente do que vemos em nossos clientes locais. Temos a impressão de que a história macro é muito bem compreendida, mas a seleção de ações não. Na dúvida, os investidores preferem investir nomes com maior valor de mercado e que conhecem bem há algum tempo.”

Shayo explica que a sua tese tem sido a de que os fluxos estrangeiros determinam a direção do mercado e que esses fluxos são determinados pelos títulos do Tesouro dos EUA.

Continua após a publicidade..

“Uma conclusão importante do nosso roadshow é que há apetite por mercados com beta mais elevado assim que houver visibilidade do momento da flexibilização da Fed, não muito diferente do que vimos acontecer aos mercados em novembro e dezembro”, acrescentou.

Continua depois da publicidade

Ainda sobre os encontros, a estrategista relatou que não existem opiniões fortes sobre as taxas de juros, com a previsão de Selic terminal a 9%, conforme o Focus, parecendo bem, enquanto os investidores não exploraram muito a chance de uma aceleração do corte ou de taxa terminal em nível mais baixo.

Shayo afirmou que há muitas discussões sobre questões estruturais, ou falta delas, enquanto observou um interesse menor em temas como o cenário fiscal e o quadro político do que no passado, do ponto de vista de um investidor de capital.

Fonte: InfoMoney

Share.