Como a enorme loja de móveis que está fechando, onde Mãe, sofá acontece, o filme é uma coleção de peças intrigantes que, em sua maioria, ficam ali desmontadas ou fora de contexto, com seu potencial não realizado. A prova A entre os elementos que circulam nesta câmara de eco do surrealismo tenso é o elenco comprometido. É liderado por Ewan McGregor, como um marido e pai estressado que está tentando, com pouca ajuda de ninguém ao seu redor, atrair sua mãe (uma Ellen Burstyn de peruca e carrancuda) para fora do ponto de venda onde ela se plantou.

Continua após a publicidade..

Rhys Ifans e Lara Flynn Boyle completam o trio central de irmãos da história, com Taylor Russell e F. Murray Abraham também habitando seu mundo peculiar, um lugar que não é o que parece. O que quer que tenha atraído esse elenco forte para o filme de estreia de Niclas Larsson permanece elusivo no produto final, o que levanta questões sobre a situação ilógica em que os personagens se encontram, mas nunca inspira uma necessidade convincente de respondê-las.

Mãe, sofá

O resultado final

Ambicioso, mas muito desarticulado para desferir o golpe pretendido.

Local: Festival de Cinema de Toronto (apresentações especiais)
Elenco: Ewan McGregor, Ellen Burstyn, Rhys Ifans, Taylor Russell, Lara Flynn Boyle, F. Murray Abraham, Lake Bell, Kenna Blackburn
Diretor-roteirista: Nicholas Larsson; baseado no romance Mamãe no sofá por Jerker Virdborg

Continua após a publicidade..

1 hora e 36 minutos

Adaptando o romance absurdo de Jerker Virdborg Mamãe no sofá (tradução: Mom on Sofa), Larsson, um ator sueco que virou cineasta (com foco em curtas e comerciais até agora), elaborou um quebra-cabeça a partir de narrativas sem sequências e imagens cativantes. O trabalho de câmera é de Chayse Irvin, que navega principalmente em cenários de estúdio ricamente projetados, mas também justapõe inexplicavelmente locações da Califórnia com cenas do outono da Costa Leste. No final do processo, após uma chuva torrencial, Irvin captura uma visão do personagem de McGregor contra um letreiro de néon parcialmente funcional. A cena se destaca pela beleza de morrer, mas, de uma forma emblemática do filme como um todo, o impacto emocional pretendido é diluído por toda a loucura exaustiva que a rodeia.

Mãe, sofá começa com promessa, porém, e faíscas de humor seco no conflito de personalidade entre David, insultado por McGregor, e seu irmão mais velho, Gruffudd (Ifans), que é tão solto quanto David é fortemente ferido. David, que deveria estar a caminho da festa de aniversário de sua filha – como as ligações de sua esposa, Anne (Lake Bell), o lembram – foi afastado para a emergência na Oakbeds Furniture, onde sua mãe declarou sua intenção de permanecer sentada em um sofá verde. Só para ter certeza, ela trouxe uma faca para evitar qualquer tentativa de removê-la.

Continua após a publicidade..

David chega de terno preto e gravata – dificilmente uma roupa de festa infantil, e a primeira pista de que estamos entrando em uma sala de espelhos metafóricos. Alguns dos quartos do Oakbeds, um enorme e abarrotado empório no meio de um estacionamento de última geração, estão decorados e em pleno funcionamento, tanto melhor para o que se transformará em uma pernoite para David, completo com um refeição caseira preparada por Bella (Russell), a jovem gerente de loja com quem Gruffudd estabeleceu um flerte caloroso. Aparentemente, ele também a informou sobre a dinâmica familiar e os fatos: “Então você tem 48 anos”, diz ela como forma de saudação quando David entra na confusão e na escuridão do negócio.

Em Oakbeds e em uma breve viagem à casa da mãe, o fantástico design de produção de Mikael Varhelyi é uma evocativa confusão de móveis e bugigangas. Tanto como mercadoria quanto como tesouros acumulados, lixo e segredos de uma vida inteira, as coisas têm uma atração gravitacional, e McGregor está convincentemente perturbado como um homem que luta para encontrar o equilíbrio contra o peso. Mas as cenas em que David está totalmente contra isso – um colapso nervoso ao falar com a operadora do 911; um enervante quase desastre de um dia na praia com sua filha – parece uma excursão a um filme diferente.

Por um bom motivo, David sempre se sentiu desprezado e excluído. Gruffudd é bastante agradável, à sua maneira espontânea, mesmo que não tenha convidado o irmão para o casamento. A irmã deles, Linda (Boyle), com seu cabelo loiro áspero e cigarro constante, é uma versão mais jovem da mãe que ela despreza. Burstyn aumenta o olhar e mamãe vomita lembranças amargas junto com visões estimulantes e nada sentimentais sobre a paternidade. Esses momentos de franqueza parecem gotas de informação quando colocados entre a inanidade contínua de Oakbeds. A dupla atuação de F. Murray Abraham como Marcus e Marco, os irmãos donos da loja, amplifica a loucura. Um irmão é gentil, o outro não, e nenhum dos dois é um personagem confiável.

É a zeladora de Oakbeds, Bella, interpretada por Russell com uma combinação inexpressiva de doçura e total falta de decoro, que de forma mais persuasiva ocupa um meio-termo entre o literal e o figurativo no bizarro cenário de varejo. Oscilando entre sedutora, inocente e maternal, ela se torna uma espécie de terapeuta para David, atraindo-o ao afirmar o óbvio. “Vocês todos parecem tão arrasados”, ela diz sobre os três irmãos, e a resposta inquieta dele é uma medida clara de quão dolorida ela atingiu.

A trilha sonora de Christopher Bear sinaliza os vários estados de espírito que o roteiro de Larsson provoca. Há capricho com uma ressaca. Há o pavor persistente do suspense tingido de terror. Eventualmente, há uma versão infantil de “O Hino de Batalha da República”. É bom ver um cineasta se arriscando e explorando formas não lineares de contar uma história. Qualquer que seja o mistério que o diretor-roteirista esteja tentando criar aqui, porém, nunca atinge um ponto de ebulição satisfatório, muito menos o tipo de fervura dramática completa que o material precisa. Apesar de todo o subterfúgio narrativo e convolução em Mãe, sofáele termina com um baque surdo e anticlimático.

Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email