“Svocê simplesmente tinha que voltar, não é? É o que diz uma pobre alma a John Kramer (Tobin Bell) – também conhecido como Jigsaw. Sim, a vingativa vítima de cancro cerebral regressou, armada com a sua habitual bateria de armadilhas diabólicas e com o seu inexpugnável sentido de justa indignação. Só que desta vez estamos voltando aos primeiros dias da franquia Saw. Vi X acontece entre o filme original e Vi II, quando John ainda tinha um pouquinho de decência nele. Bem, mais ou menos. Quando ele vê um rapaz pensando em roubar os objetos de valor de um paciente do hospital, ele ainda fantasia em sugar os olhos do cara com uma engenhoca particularmente desagradável.

Continua após a publicidade..

“Eu ajudo as pessoas a superarem seus obstáculos”, diz ele mais tarde, provocando a risada mais sombria de todo o filme. Mas as coisas ficam reais quando ele conhece um colega de um grupo de apoio ao câncer, que entrou em remissão graças a um coquetel de medicamentos e cirurgia. John se inscreve e logo está a caminho do México, onde conhece a médica (interpretada por Synnøve Macody Lund) e os cuidadores bem-intencionados ao seu redor. Só que as coisas não funcionam como ele esperava e ele logo se vingará de todos os envolvidos.

Sim, o jogo pode realmente começar quando John reúne todos os envolvidos em um armazém sombrio para alguns dilemas morais sangrentos (e queremos dizer sangrentos). A diversão dos filmes Saw sempre foi a inventividade das armadilhas e Vi X não decepciona. Amputação de pernas, cirurgia cerebral autoproclamada e radioterapia, todos aparecem, em algumas das cenas mais desagradáveis, enquanto os perpetradores recebem uma deliciosa forma de justiça. “Isso não é retribuição”, entoa Kramer. “É um novo despertar.”

Continua após a publicidade..

John Kramer, também conhecido como Jigsaw, retorna em ‘Saw X’. CRÉDITO: Lionsgate

Continua após a publicidade..

Dirigido por Kevin Greutert, que já editou os cinco primeiros filmes de Jogos Mortais antes de dirigir Vi VI e Vi 3D, Vi X não é nada revolucionário. Você sabe o que vai conseguir, e isso cumpre essa promessa melindrosa: horror intenso, viscoso e violento aos montes. A mitologia é tão extensa agora que também há espaço para algumas aparições surpresa que certamente farão os fãs torcerem em seus assentos. É assustador o suficiente? Talvez não, mas certamente é rápido. A duração de 118 minutos parece metade disso, dada a sua natureza absorvente.

Bell é tão discreto e brilhante como sempre – aquela voz sinistra e rouca dá um ótimo treino, enquanto sua aparência murcha e de cabelos grisalhos confere ao filme uma verdadeira seriedade. E sim, há iconografia de Saw aqui o suficiente para manter os sanguinários do lado. O minigravador da velha escola com “Play me” rabiscado nele e, claro, Billy, o boneco palhaço de aparência estranha em uma bicicleta, fazem aparições bem-vindas. Também impressionante é a atriz norueguesa Lund (Caçadores de cabeças) que por um tempo parece que pode ser uma adversária digna do poderoso Jigsaw. Mas a ganância sempre será uma assassina no universo brutalmente moral de Saw. “Vocês estão doentes pra caralho”, vem o grito a certa altura. Você não iria querer de outra maneira, certo?

Detalhes

  • Diretor: Kevin Greutert
  • Estrelando: Tobin Bell, Shawnee Smith, Synnøve Macody Lund
  • Data de lançamento: 29 de setembro (nos cinemas)



Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email