Sean Penn falou sobre como ele pretendia originalmente para seu documentário sobre a Ucrânia Superpotênciaque ele co-dirigiu com Aaron Kaufman, para ser um retrato “alegre” do ator que virou presidente do país, Volodymyr Zelensky, antes que a invasão russa de seu vizinho europeu no início de 2022 o levasse a fazer um filme de guerra.

Continua após a publicidade..

Em uma aparição em CBS Manhãs na quarta-feira, Penn explicou como essa mudança ocorreu e o papel que os atrasos, incluindo a pandemia de COVID-19, desempenharam na definição do escopo do filme.

Penn observou que inicialmente conheceu Zelensky por meio do Zoom, “muito antes de os tambores soarem sobre a invasão russa”, quando o presidente da Ucrânia foi notícia por seu papel no “controverso telefonema”, como disse Penn, que acabou resultando em O primeiro impeachment do então presidente Donald Trump.

“Então aconteceu o COVID e isso atrasou nosso início”, lembrou Penn. “Quando chegamos lá, as coisas estavam melhorando bastante em novembro de 2021. Depois também aconteceu algo que impossibilitou o encontro com o presidente, e eu sempre disse a ele que não queria que ele concordamos em participar do documentário até que concordássemos em nos encontrar pessoalmente sem câmeras. Eu apenas pensei que era a melhor maneira de ser avaliado e para ele também, porque eu o queria desprotegido se fôssemos fazer isso.”

Os dois finalmente se conheceram pessoalmente, fora das câmeras, em 23 de fevereiro de 2022, para o que Penn chamou de “um encontro muito bom”, onde os dois concordaram que começariam a filmar no dia seguinte.

Continua após a publicidade..

Naquela noite começou a invasão russa, mas Zelensky ainda estava disposto a fazer o filme.

“No final da manhã recebemos um telefonema do gabinete do presidente informando que, mesmo assim, ele iria honrar nosso acordo de começar a filmar naquele dia”, disse Penn.

Quando questionado por CBS Manhãs co-apresentadora Gayle King por que Zelensky ainda estava disposto a documentar o que estava acontecendo, Penn disse: “Acho que ele entende que parte da guerra no novo mundo são as comunicações em vários níveis”.

Continua após a publicidade..

Penn acabou visitando a Ucrânia sete vezes, o que levou o co-apresentador Tony Dokoupil a perguntar por que ele estava tão disposto a se colocar em perigo com suas frequentes viagens a uma zona de guerra.

“Estou muito curioso sobre as coisas. Não sou especialista em nada, mas, como todos nós, podemos ter uma noção das coisas quando estamos presentes nelas. Tenho o luxo de poder viajar à vontade na maioria das vezes e tenho um rosto famoso que me dá acesso a pessoas e lugares que de outra forma não teria”, disse Penn antes de acrescentar que se inspirou na unidade que viu em Ucrânia, da qual ele já falou antes.

Quanto ao que Penn espera que o público dos EUA tire Superpotência, transmitido pela Paramount + na segunda-feira, ele disse que o filme fornece “contexto para os americanos ao redor da mesa da cozinha entenderem como tudo o que acontece na Ucrânia estará em nossa mesa, e que não é tão simples a ponto de dizer: ‘Oh, estamos colocando dinheiro em outro país. Não, é um grande investimento no nosso futuro e no futuro da democracia.”

Assista à entrevista completa de Penn abaixo.

Share. WhatsApp Facebook Telegram Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email