ad

Após a grande alta no quarto trimestre nas ações dos EUA, os investidores estão prestes a descobrir o que as empresas têm a mostrar em seus balanços de resultados.

Não há muitas expectativas incorporadas, então há espaço para uma surpresa positiva: os analistas projetam que os membros do Índice S&P 500 verão os lucros do quarto trimestre crescerem em média 1,1% em relação ao ano anterior, o que seria o menor número positivo desde antes da pandemia, mostram dados compilados pela Bloomberg Intelligence. O índice de ações subiu 11% no último trimestre, o melhor desempenho desde 2020.

Continua após a publicidade..
ad

A sexta-feira (12) deu início ao ciclo de anúncios, com JPMorgan Chase & Co., Bank of America Corp., Wells Fargo & Co. e Citigroup Inc. divulgando seus resultados. A próxima semana traz uma gama mais ampla de empresas, incluindo bancos menores e a produtora de alumínio Alcoa Corp.

Masterclass Gratuita

O Ano da Virada

Descubra onde estarão as melhores oportunidades para multiplicar o seu patrimônio e ganhar uma renda extra em 2024

Aqui está um olhar sobre cinco temas-chave a serem observados à medida que mais balanços chegam nas próximas semanas.

Deixando a contração de lucro para trás

A temporada de relatórios do terceiro trimestre interrompeu uma sequência de três trimestres de contração dos lucros do S&P 500, mas os analistas precisam de sinais definitivos de que a queda ficou para trás. Não há garantia de que esse seja o caso, especialmente com a margem estreita de crescimento que os dados da BI indicam. Além disso, excluindo os sete gigantes da tecnologia, é provável que os lucros do S&P 500 diminuam.

A perspectiva um tanto sombria para este ciclo de relatórios contrasta com a expansão de 11% nos lucros que os dados da BI indicam para todo o ano de 2024. Assim, Wall Street estará de olho nas previsões para ver se as empresas esperam entregar esse tipo de impulso.

Continua depois da publicidade

Continua após a publicidade..
ad

“Estamos emergindo gradualmente da recessão dos lucros, e nesse sentido, os resultados do quarto trimestre definirão o tom para 2024”, disse Quincy Krosby, estrategista-chefe global da LPL Financial. “As orientações são extremamente importantes durante essa transição de um período de alta inflação para um período em que a inflação está diminuindo, mas ainda não está onde os formuladores de políticas precisam que esteja.”

Tudo sobre margens

As margens de lucro — uma medida de quanto lucro as empresas estão obtendo de suas vendas — estarão no centro das atenções de Wall Street. Após três trimestres de melhoria, espera-se que as margens líquidas de lucro caiam para cerca de 11,7%, o mais baixo desde 2020, mostram dados compilados pela BI.

A queda reflete o desafio que algumas empresas enfrentam em repassar os custos de insumos para os consumidores, enquanto as pressões salariais permanecem persistentes em várias indústrias de baixa produtividade que são difíceis de automatizar. As margens de lucro serão as mais baixas nos setores de saúde e bens de consumo, mostram os dados da BI.

A boa notícia é que elas logo devem se recuperar. A mediana da margem bruta deve ser cerca de 8 pontos base maior nos próximos 12 meses em relação aos 12 meses anteriores, mostram dados compilados pela Trivariate Research.

Essa dinâmica significa que “as margens brutas provavelmente se expandirão para muitas empresas se as condições macroeconômicas atuais persistirem”, escreveu Adam Parker, fundador da Trivariate.

Não apenas Inteligência Artificial

Os analistas esperam que a inteligência artificial aumente o produto interno bruto global em US$ 7 trilhões nos próximos 10 anos, segundo a Cresset Capital LLC. Mas os analistas querem ver o que isso significa para os lucros agora.

Continua após a publicidade..

As sete maiores ações do S&P 500 — de Apple Inc. a Meta Platforms Inc. — provavelmente verão seus lucros crescerem 46% no quarto trimestre, enquanto o restante do índice provavelmente verá uma queda de 7,1%, segundo a BI.

Mais tarde, no ano, a lacuna provavelmente começará a se estreitar. O índice S&P 500, excluindo os Magnificent Seven, deve retornar ao crescimento com os lucros do primeiro trimestre e ganhar impulso à medida que o ano avança, registrando uma expansão de lucro de 19% no quarto trimestre — acima da dos Magnificent Seven.

“Não é apenas IA”, disse Marshall Front, diretor de investimentos da Front Barnett Associates. “Queremos saber como está o consumidor americano — e os bancos têm uma boa noção disso. Queremos ver as últimas tendências em setores cíclicos como energia, imóveis e saúde.”

Forças Macroeconômicas

Enquanto os investidores manterão o foco nos números de receita e lucro líquido, eles prestarão igual atenção ao que as empresas estão dizendo sobre tópicos que estão além do seu controle.

A perspectiva dos executivos corporativos para forças como geopolítica e política está piorando, mesmo com suas visões sobre os fundamentos da empresa continuando a melhorar. A última agora excede a primeira pela maior margem em pelo menos 20 anos, mostram cálculos compilados pela 22V Research.

Na 22V Research, Dennis Debusschere disse que se concentrará “nas margens e se os CEOs soam mais otimistas sobre o mundo”. Se sim, ele disse, “você pode presumir uma melhora no capex.”

Visões divergentes

A previsão de consenso para um crescimento de lucro anêmico no quarto trimestre esconde perspectivas amplamente divergentes para os vários setores do S&P 500. Dois dos 11 segmentos — utilidades e serviços de comunicação — devem apresentar expansão de lucro acima de 40%, enquanto três — energia, saúde e materiais — provavelmente verão uma contração de lucro de 20% ou mais.

Essa é parte da razão pela qual um indicador de correlação esperada de um mês em ações do S&P 500 caiu para cerca de 0,14 – um nível visto apenas algumas vezes nos últimos 10 anos, mostram dados compilados pela Bloomberg. Uma leitura de 1 significa que os títulos se movem em uníssono.

“Neste ponto do ciclo econômico, à medida que algumas das maiores questões macroeconômicas começam a diminuir, esperamos ver uma divergência mais ampla entre vencedores e perdedores”, disse Chris Zaccarelli, diretor de investimentos da Independent Advisor Alliance. “Não vai ser ‘a maré crescente eleva todos os barcos’.”

© 2024 Bloomberg L.P.

Fonte: InfoMoney

Share.
ad