ad

BUENOS AIRES (Reuters) – A taxa anual de inflação da Argentina ultrapassou 211% em 2023, segundo dados oficiais divulgados nesta quinta-feira, o nível mais alto desde o início da década de 1990, enquanto o novo presidente Javier Milei busca combater a hiperinflação com medidas de austeridade rigorosas.

A taxa de inflação na base mensal da Argentina atingiu 25,5% em dezembro, um pouco abaixo das previsões, após uma forte desvalorização do peso pelo governo de Milei, que assumiu o cargo em 10 de dezembro prometendo colocar a inflação sob controle.

Continua após a publicidade..
ad

“Tivemos que eliminar as coisas que tornavam a vida um pouco mais alegre”, disse a aposentada Susana Barrio, de 79 anos, acrescentando que não podia mais convidar os amigos para churrascos. “Aquela alegria que me dava convidar meus amigos para um churrasco, o que é típico aqui, agora é impossível.”

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

Continua após a publicidade..
ad

A leitura da inflação em 2023 fez com que a Argentina ultrapassasse a Venezuela, que por muito tempo foi o ponto fora da curva da América Latina em termos de inflação, onde as pressões inflacionárias diminuíram para uma estimativa de 193% em 2023, após anos de aumentos de preços dolorosos e fora de controle.

Embora a inflação alta tenha atormentado a Argentina durante anos, a taxa de aumento de preços está agora no nível mais alto desde o início da década de 1990, quando o país estava saindo de um período de hiperinflação, com os preços dos alimentos em alta particularmente rápida.

Continua após a publicidade..

O presidente Javier Milei, um libertário que vem de fora do ambiente político e que chegou ao poder graças à raiva dos eleitores com a piora da situação econômica, está procurando empregar medidas de austeridade rígidas para derrubar a inflação, reduzir um déficit fiscal profundo e reconstruir os cofres do governo.

Continua depois da publicidade

Mas Milei, que está no cargo há um mês, advertiu que isso levará tempo e que as coisas podem piorar antes de melhorar. Muitos argentinos estão reduzindo os gastos ainda mais, sendo que dois quintos já estão na pobreza.

Fonte: InfoMoney

Share.
ad